Os prefeitos da Baixada Santista estão unidos para tentar fazer com que a nova usina de produção de placas de aço da Usiminas seja construída em Cubatão. E não em alguma cidade de Minas Gerais ou do Espírito Santo, que estão oferecendo áreas e incentivos. A holding anunciou que vai construir a nova siderúrgica até o final do segundo semestre de 2007, e que Cubatão leva vantagem nessa preferência, pela existência de áreas disponíveis na Cosipa, pela localização estratégica privilegiada e por possuir um porto. Mas, segundo a direção da empresa, problemas ambientais podem fazer com que a usina acabe indo para outro estado.

Atendendo a sugestão apresentada pelo presidente do Condesb, o prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, o órgão regional resolveu encampar a luta pela vinda da nova usina para a Baixada e decidiu levar a proposta a todos os candidatos a governador do Estado.

A futura usina produzirá cinco milhões anuais de toneladas de chapas de aço para o mercado externo. Só na fase de construção, deve gerar 3 mil empregos. Um dos maiores problemas para a sua implantação em Cubatão seria a demora na autorização para a dragagem do canal de acesso ao porto da Cosipa. O presidente do Condesb informou que fará gestões políticas no sentido de tentar reverter essa situação.

Autor(es): Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia