Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Vale dirá segunda se acionistas da Inco aceitaram oferta

Mais notícias relacionadas a comércio internacional:

Taiwan: mercado promissor de produtos siderúrgicos
Cenário dos laminados planos é dominado pela China Steel Corporation (CSC), única empresa com usinas ...


O que são exportações invisíveis
Também conhecidas como exportações intangíveis, incluem pagamentos, licenciamento e repatriação de lucros entre empresas.


Camex anuncia redução de imposto de importação até 2014
Máquinas e bens de informática não produzidos no Brasil


A Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) só vai anunciar na segunda-feira se obteve adesão da totalidade dos acionistas da mineradora canadense de níquel Inco à sua oferta de compra, no valor de 86 dólares canadenses por ação. À meia-noite de ontem, no horário de Toronto, expirou o prazo para o depósito dos papéis dos acionistas que não acataram a oferta da Vale até 23 de outubro, quando a adesão chegou a 75,6% do capital da Inco. A Vale não fará novo adiamento de prazo, segundo informou sua assessoria de imprensa.

A Vale já desembolsou US$ 13,3 bilhões pela Inco, cifra que pode alcançar valor próximo de US$ 18 bilhões se a companhia adquirir a totalidade das ações da canadense. A mineradora deixou clara sua intenção de obter 100% da Inco. Segundo analistas ouvidos pela Agência Estado após a Vale ter conseguido 75,6% do capital da Inco em 23 de outubro, a expectativa era que os demais acionistas também optassem por se vender as ações.

Entre os motivos apontados para os acionistas se desfazerem dos papéis estaria a baixa liquidez esperada para as ações da Inco remanescentes no mercado, a redução do poder de barganha dos acionistas num cenário em que a Vale passa a deter a maior parte do capital da Inco, e o preço oferecido de 86 dólares por ação, próximo ao que o mercado considera justo.

Segundo informou o diretor-executivo de assuntos corporativos da Vale, Tito Martins em teleconferência com jornalistas após a compra da Inco, a regulamentação do mercado canadense possibilita o chamado "squeeze-out", em que minoritários têm de se desfazer de suas ações. Martins disse que, quando a Vale superou 66% de participação na Inco, passou a se adequar a essa situação.

Para financiar a compra da Inco, a Vale contou com empréstimo sindicalizado que tornou disponíveis à mineradora brasileira US$ 34 bilhões. A operação foi coordenada por Credit Suisse, UBS, ABN Amro e Santander e contou com a participação de 34 bancos. Recentemente, a Vale informou que vai usar US$ 2 bilhões do seu caixa para pagar a compra e anunciou emissão de R$ 5 bilhões em debêntures simples, como um dos instrumentos para refinanciar a dívida.

A Vale quer acelerar os investimentos nos projetos de níquel da Inco na mina de Goro, na Nova Caledônia, no sul do Oceano Pacífico, e os estudos para ampliar atividades da PT Inco, subsidiária da Inco na Indonésia. O cronograma de operações de Goro está atrasado, mas pode ser antecipado com a aquisição da Inco pela Vale. Estima-se que a mina de Goro terá capacidade para produzir 60 mil toneladas de níquel por ano. A única antecipação já prevista pela Vale, porém, é o início do funcionamento de refinaria de Voisey´s Bay Nickel, no Canadá, de 12 a 18 meses mais cedo que a estimativa inicial de 2011.

As reservas de níquel da Inco são estimadas em 7,8 milhões de toneladas. Com a aquisição da canadense, a Vale passa a ocupar a segunda colocação entre as mineradoras mundiais, atrás da BHP Billiton. Antes da compra da Inco, a Vale tinha dois projetos em níquel: Vermelho e Onça Puma, ambos no Pará. Especialistas avaliam que a entrada da Vale no ranking dos maiores produtores mundiais de níquel não deve alterar os fundamentos do mercado do setor. A expectativa é que os preços internacionais do níquel continuem elevados nos próximos anos, diante de um déficit entre oferta e demanda do metal, apesar dos investimentos previstos para a expansão da produção mundial.

Agência Estado

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a comércio internacional:

Importação de produtos químicos da Índia

A indústria química indiana está em franca expansão. O setor proporciona hoje um grande volume de negócios dentro e fora do país. Produtos químicos ...
Pesquisa mostra recuperação da indústria chinesa

A produção industrial na China melhorou neste mês de outubro, dando sinais de que uma recuperação pode estar tomando forma depois de uma queda acentuada da segunda ...
Definição de certificado de origem

O certificado de origem é um documento importante no comércio internacional que atesta que os bens em um embarque de exportação específico são inteiramente obtidos, produzidos, fabricados ...
Diferença entre marca de serviço e marca registrada

Se você fabrica um produto ou oferece um serviço, provavelmente quer que sua empresa tenha uma identidade única para permitir que seus clientes saibam a origem do produto ou ...
Modelos de comércio internacional

Modelos de comércio internacional têm sua origem na teoria da vantagem absoluta apresentada por Adam Smith, que demonstrou que era benéfico para um país se especializar ...
Déficit em químicos alcança US$ 12,0 bi no primeiro semestre

As importações brasileiras de produtos químicos totalizaram mais de US$ 19,4 bilhões no primeiro semestre de 2012, enquanto as exportações somaram US$ 7,4 bilh ...
China pretende criar zona de conversão da moeda

A China planeja criar uma zona especial para experimentar com a convertibilidade da moeda em Shenzhen (foto), cidade em que introduziu as principais reformas econômicas há três d ...

Comércio Internacional
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Comércio Internacional


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google