Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Brasil quer atrair centros mundiais de P&D

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


O Brasil começa a se preparar para disputar com Índia, China, Taiwan e Cingapura a preferência das empresas transnacionais para instalarem aqui seus centros mundiais voltados para a pesquisa e o desenvolvimento (P&D) de produtos com alta densidade tecnológica. Na semana passada, em São Paulo, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei) formalizaram parceria para a elaboração do projeto "Atratividade do Brasil para centros de P&D mundiais". Os estudos serão executados pela Anpei, num prazo de seis meses, e fornecerão as bases em que o País deverá atuar para sensibilizar as empresas transnacionais.

O Brasil tem condições para exercer essa atratividade (custos comparáveis com países competitivos, posicionamento geográfico, biodiversidade, recursos humanos capacitados etc.), mas - segundo as entidades - nunca contou com uma política estruturada sobre o tema. Com isso, perdeu terreno para países asiáticos que se prepararam para abrigar centros mundiais de P&D e vêm contando com a preferência das empresas.

Estudo recente realizado pela Anpei ("Inovação Tecnológica no Brasil – A industria em busca da competitividade global") mostra que, depois de a Motorola ter estabelecido seu centro de P&D na China, em 1993, mais de 700 centros estrangeiros foram instalados nesse país. Na Índia, somente a General Electric emprega 2.400 pessoas em P&D em áreas como produtos para aeronaves, bens de consumo duráveis e equipamentos médicos. Companhias farmacêuticas como Astra-Zenica, Eli Lilly, Novartis e Pfizer realizam pesquisas na Índia. "Em relação ao desenho de semicondutores, se a Ásia não desenvolvia quase nada até meados dos anos 1990 – Japão e Coréia eram as exceções –, a região foi responsável, em 2002, por quase 30% do total dessa atividade no mundo", destaca o estudo. "Entre 2002 e 2004, dos 1.773 projetos de multinacionais envolvendo P&D internacional, cerca de metade (861) foi para países da Ásia e Oceania".

Por outro lado, na América Latina os investimentos das multinacionais em P&D destinam-se sobretudo à adaptação dos produtos aos mercados locais, a chamada "tropicalização". "Brasil e México têm alguns exemplos que fogem a essa regra, mas em geral se encaixam perfeitamente nela". Uma das raras exceções é GM brasileira, que compete com outras subsidiárias do grupo norte-americano pelo direito de projetar e construir novos veículos e de realizar atividades que fazem parte do core-business da empresa global.

Pesquisa da ONU mostra que a China é o destino mencionado pelo maior número empresas (72,1%) para futuras expansões em projetos de P&D. Os EUA vêm em segundo (41,2%), a Índia em terceiro (38,4%) e o Japão em quarto (14,7). O Brasil aparece em 19º lugar, com 1,5% de atratividade.

Entre os pontos a serem abordados no projeto "Atratividade do Brasil para centros de P&D mundiais" estão a identificação, junto às filiais de empresas transnacionais instaladas no Brasil, de oportunidades e interesses para investirem em pesquisa e desenvolvimento no Pais; a estruturação de informações sobre recursos e benefícios disponíveis no País (qualificação da mão-de-obra, fontes de financiamento para inovação, base científica etc.) e a identificação de barreiras e pontos desfavoráveis ao desenvolvimento, no Brasil, de projetos de P&D das empresas transnacionais.

Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google