Empresa não quer arriscar a saúde financeira do grupo com aquisição

Reuters

MUMBAI, Índia - O grupo indiano Tata vê um limite sobre até onde irá para comprar a siderúrgica anglo-holandesa Corus Group Plc sem comprometer os interesses dos acionistas, afirmou o presidente da empresa, Ratan Tata, durante uma entrevista.

A Tata Steel Ltd., maior siderúrgica do setor privado na Índia, e a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) estão travando uma batalha pelo controle da Corus.

Enquanto a Tata Steel ofereceu 500 pences por ação, a CSN fez uma proposta de 515 pences, avaliando a companhia em 4,9 bilhões de libras (US$ 9,6 bilhões). O órgão regulador britânico para fusões e aquisições estabeleceu um prazo final até o dia 30 de janeiro para a revisão das ofertas.

Oportunidade

“Há um limite sobre até que ponto deve ser considerado o valor da empresa Corus)”, disse Ratan Tata, conforme divulgação antecipada de uma entrevista por televisão que será transmitida no sábado. A rede NDTV disse que Tata deixou claro que a companhia aumentaria o lance a um preço que “fizesse sentido estratégico e não ameaçasse ou colocasse em risco a força e a saúde de nossos próprios acionistas”.

Tata também afirmou que o desejo de vencer não seria a força motriz por trás da oferta do grupo. “Em primeiro lugar, não é uma questão de ego... O que me levou a buscar a aquisição foi que, em termos de sinergia e estratégia, tivemos uma oportunidade sem igual”, completou.

Autor(es): Estadão

facebook      twitter      google+

Comércio Internacional
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Comércio Internacional