Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Produção industrial do País cresce 0,8%

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Resultado superior às expectativas projetadas por analistas de mercado, a produção industrial brasileira registrou crescimento de 0,8% em novembro em relação a outubro do ano passado. Ante o mesmo mês apurado de 2005, a produção do setor expandiu em 4,2%. Os dados pertencem à Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

De janeiro a novembro do ano passado, a produção da indústria brasileira acumula expansão de 3,1% e, no período de 12 meses, o índice chega a 3%. Em outubro, a taxa acumulada de crescimento do setor era de 2,8%. Analistas de mercado apostam em fechamento do índice em 3% até dezembro para 2006.

A média móvel trimestral – importante indicador de tendência da produção industrial – aponta para variação positiva de 0,2% entre os trimestres encerrados em outubro e novembro. Na avaliação do IBGE, os números verificados no 11º mês de 2006 indicam sinais de discreta recuperação no ritmo da atividade industrial brasileira.

Ao decompor os resultados da pesquisa de novembro, o setor de bens de capital, com alta de 2,2%, alicerça o maior ritmo de crescimento entre as categorias de uso e ainda supera dois meses de quedas acumuladas em 2,4%.

Em relação ao mesmo mês de 2006, o índice de expansão de bens de capital chega a 7,9%. E, logo atrás, está o setor de bens intermediários, com crescimento de 1,6% de um outubro para novembro e expansão de 3,2% em relação a novembro do ano anterior.

Enquanto isso, o setor de bens de consumo foi na contramão dos demais e registra recuo de 0,1% em novembro do ano passado. No entanto, ao contrapor os números desse mês com o mesmo período do ano anterior, o saldo de crescimento é de 4,4%.

Ao desmembrar o setor de bens de consumo em duráveis e semiduráveis e não-duráveis verificam-se quedas de 0,1% e 0,6%, respectivamente. Ao comparar novembro do ano passado com o mesmo mês de 2005, duráveis expandem a produção em 10,4% e semiduráveis e não-duráveis registram alta de 2,8%.

PERSPECTIVA - O economista da Universidade Imes (Universidade de São Caetano) Francisco Funcia avalia positivamente os números apresentados pela pesquisa do IBGE. “Para a economia, é um resultado positivo porque surpreende se comparado aos números previstos para o período”, considera.

Ao analisar o destaque da pesquisa – os bens de capital –, Funcia ressalta a importância do desempenho do setor para o crescimento da economia brasileira. “Bens de capital refletem o dinamismo econômico porque o setor fornece bens de produção para outros setores da economia”, enfatiza. Dessa forma, segundo ele, revela-se tendência positiva de crescimento para este ano.

Em relação à expansão acumulada entre janeiro e novembro do ano passado de 7,3% no setor de bens duráveis, Funcia aponta para a importância da expansão da oferta de crédito no período. “O crédito é importante para o desenvolvimento da economia. A expansão da oferta só é negativa se endividamento gerar inadimplência”, explica.

Ainda no setor de produção de bens duráveis, Funcia cita o crescimento de 3% na fabricação de automóveis, atrás da expansão registrada nas produções de celulares (29,5%) e eletrodomésticos (14,3%). “O crescimento da indústria automobilística não foi mais acentuado porque o câmbio está desfavorável às exportações”, analisa o economista.

Diário do Grande ABC

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google