Keter/Kombat exporta brocas especiais para a ÁsiaA Kombat, empresa coligada à Keter, está fazendo trajetória inversa à de muitos fabricantes: está exportando para a Ásia. Em janeiro, seguiu para uma montadora asiática o primeiro lote de brocas e alargadores de metal duro inteiriços especiais com canais polidos. A empresa prefere não divulgar o nome do cliente, apenas revela tratar-se de uma grande indústria, com fábricas em vários países.

O gerente da Kombat, Afonso Prebianchi, explica que o cliente tomou conhecimento dos produtos por intermédio de uma de suas subsidiárias instaladas no Brasil, mais precisamente em Manaus. "As negociações demoraram cerca de seis meses, entre testes, auditorias e visitas a nossa fábrica, concluindo com a homologação das nossas ferramentas", informa.

Conforme Prebianchi, o interesse da empresa se deve ao processo desenvolvido pela Kombat para a produção de canais polidos, com acabamento espelhado. "Esse desenvolvimento nos projetou no mercado brasileiro e agora também está nos colocando no mercado internacional", frisa.

"O canal espelhado, de baixíssima rugosidade, facilita o escoamento dos cavacos e aumenta a performance da ferramenta", explica o gerente, ressalvando que o processo já era conhecido. O pulo do gato da Kombat foi desenvolver um processo de produção próprio, incluindo o desenvolvimento de rebolos especiais em parceria com um fornecedor, e conseguir manter o preço competitivo.

CRESCIMENTO - Criada em 2001, a partir de uma joint venture com a norte-americana Kombat - mas 100% nacional desde 2002 -, a empresa fabrica variada linha de ferramentas rotativas. "Temos obtido crescimentos substanciais ano-a-ano", afirma o gerente. Em 2006, o crescimento foi de 25%. Para 2007, a expectativa é de expansão de 20% do faturamento.

Para tanto, a empresa investiu R$ 3,4 milhões em 2005, basicamente em máquinas e equipamentos. Agora, no início de 2007, a Kombat investiu 500 mil euros para ampliar o parque de máquinas, com dois novos centros de usinagem de cinco eixos.

Essas máquinas foram adquiridas para a instalação da nova célula de produção, que está fabricando o lançamento que será apresentado na Feimafe: uma linha de fresas para usinagem em altas velocidades, voltada para a produção de moldes. A princípio batizada de Ecoline, a nova linha tem como diferencial o fato de utilizar uma variada gama de substratos de metal duro e coberturas especiais. Nos dois casos (substratos e coberturas), as soluções foram desenvolvidas especialmente para a Kombat.

Prebianchi acredita que a nova linha terá boa aceitação do mercado, a exemplo do ocorrido com a Digeturbo, lançada em 2005. Também composta de ferramentas rotativas especiais, com variada gama de substratos e geometrias, a linha Digeturbo permitiu triplicar o avanço e aumentar em 50% a velocidade de corte. "O resultado é maior produtividade para os clientes", afirma o gerente, frisando que a linha tem como principal consumidor o setor automotivo.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Comércio Internacional
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Comércio Internacional