A White Martins anunciou que fechou contrato, na última quarta-feira, com a Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) para fornecimento de 2.600 toneladas de gás por dia para as novas unidades produtivas da siderúrgica, a partir de 2006. As empresas não revelaram o valor do contrato, que irá suprir a necessidade da CST com a conclusão do projeto de expansão de produção – de 5 milhões de toneladas por ano de aço para 7,5 milhões de toneladas de placas e bobinas. O contrato tem duração de 15 anos.

Para fornecer oxigênio, nitrogênio e argônio para as novas unidades da CST, a White Martins irá construir duas plantas de separação de ar em Vitória, dentro das unidades da companhia siderúrgica.

O projeto e a construção destas fábricas ficará toda a cargo da White Martins. “Vencemos uma concorrência internacional para a expansão da CST porque somos a única fabricante nacional destas unidades, o que se reflete no preço do gás que será fornecido”, destaca o diretor de expansão industrial da White Martins, José Fabiano, que não revela nem o investimento para construção das plantas, nem o preço do gás que foi oferecido à siderúrgica.

O projeto de expansão da CST prevê a construção do terceiro Alto–forno da companhia, um novo sistema de injeção de Finos de Carvão (PCI), um terceiro Convertor, o segundo Desgaseificador a Vácuo (RH) e a terceira Máquina de Lingotamento Contínuo, além de uma nova Coqueria capaz de produzir 1,5 milhão de toneladas de coque por ano.

O investimento da siderúrgica será de US$ 1 bilhão, sendo US$ 600 milhões com recursos próprios e os outros US$ 400 milhões com investimentos externos. As obras começarão a ser executadas este ano e a previsão de conclusão é o primeiro semestre de 2006.

A White Martins já fornece de gás para as outras companhias do mercado siderúrgico como a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Usiminas, Cosipa, Belgo Mineira e Gerdau.

Autor(es): Jornal do Commercio

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás