A Dedini acaba de fechar contrato com a Bionasa Combustível Natural para o fornecimento de uma usina completa para a produção de biodiesel. Com mais este negócio, a empresa somará oito contratos, quatro deles já entregues (Bertin, 100 mil t/ano; Granol, 100 mil t/ano; Caramuru, 100 mil t/ano e Barralcool, 50 mil t/ano) e está fabricando outras três para o grupo Agrenco (duas de produção de 100 mil /ano cada e uma de 200 mil t/ano).

A nova usina será instalada em Porangatu (GO) e terá capacidade inicial para produzir 200 mil t/ano de biodiesel. A Dedini será responsável pela tecnologia, produção dos equipamentos e posta em marcha da usina, que deve ocorrer em agosto de 2008. Para 2010, está prevista a ampliação do complexo industrial em 100%, o que levará a unidade à condição de maior usina de biodiesel no Brasil.

Além da planta completa, a Dedini fornecerá a caldeira para geração de vapor para utilização da própria usina, torre de resfriamento, tanques para tratamento e estocagem do óleo.

A tecnologia da Dedini permitirá que a usina possa utilizar como matéria-prima óleos vegetais (girassol, soja e pinhão-manso) e sebo bovino para produzir o biodiesel. Essa flexibilidade garante maior autonomia na gestão da planta. Além do biocombustível, a unidade também fabricará glicerina, que representará 12% da produção do complexo.

A Bionasa recebeu um investimento de R$ 125 milhões do fundo inglês Trading Emissions PLC (TEP) para a instalação do complexo industrial de em Porangatu. Trata-se do maior investimento no País de uma empresa estrangeira no setor de biodiesel. A Bionasa irá ocupar área de 85 mil m², sendo quase 60 mil m² de área construída. No total, serão investidos R$ 256 milhões no complexo, dos quais R$ 131 milhões na primeira etapa. Quando entrar em operação, a unidade deverá gerar 126 empregos diretos e cerca de 1.500 indiretos.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Meio Ambiente
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Meio Ambiente