Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Vale privatizada não parou de crescer

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Foram necessários apenas cinco minutos para que a Companhia Vale do Rio Doce arrematasse os 720 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul, no trecho entre Açailândia, no Maranhão, e Palmas, no Tocantins. Dona do único lance do leilão, a mineradora pagou o preço mínimo exigido, R$ 1,478 bilhão, e arrematou a maior ferrovia em disputa no País. Vale lembrar que a promessa dessa obra se arrasta desde 1986. Hoje, estão prontos apenas 374 quilômetros da ferrovia, de Açailândia a Araguaína, 160 quilômetros deles nos últimos quatro anos. O desenho total do trajeto soma 1.300 quilometros de Açailandia até o porto de Itaqui em São Luís.

A obra leiloada é essencial. Segundo estudos do governo, é possível que em cinco anos a ferrovia transporte 8 milhões de toneladas, em especial de grãos, com prioridade para soja. Sem esquecer combustível e fertilizantes. É fato, como apontaram diversos especialistas em logística, que a ferrovia “cai como luva” para a CVRD, que já conta com uma bem montada infra-estrutura na região.

O traçado da obra beneficia a Vale, porque a empresa já detém a concessão da estrada de ferro Carajás na direção do porto de Itaqui. No entanto, o governo resistiu a qualquer mudança no traçado da Ferrovia, o que causou o desinteresse de outros grupos, por entender que a Vale tem direito de passagem para chegar a Itaqui, obrigando qualquer concorrente a obter autorização para passar por Carajás.

Desse modo, o debate aberto em torno do preço mínimo para o leilão perde consistência. A companhia vencedora reagiu insistindo que não poderá mais ser chamada de “monopolista”, uma alusão aos processos em curso no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a empresa. Apesar do leilão da ferrovia contar com um único participante final, é correta a visão do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, de que o melhor resultado da licitação “foi ver a iniciativa privada entrando no projeto”. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff preferiu um tom mais incisivo e menos cauteloso para defender o leilão: “Por que seria ruim? Seria ruim se estivesse vazio”.

O argumento da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) de que o valor do empreendimento exigia “grandes players porque o retorno é longo” não pode ser esquecido. A concessão implica manutenção e compra de material rodante, não só na construção da ferrovia. Convém não esquecer que o projeto da Ferrovia Norte-Sul data do governo Sarney e a maior parte dela não saiu do papel.

Esse é o ponto que interessa nesse leilão: a obra vai andar. O recurso oferecido pela Vale, o R$ 1,478 bilhão do lance mínimo, já está viabilizado e será quitado em três parcelas, metade em dois meses, um quarto até o final do próximo ano, coincidindo com a entrega do trecho entre Araguaína e Guaraí. É obrigatório lembrar que tais recursos virão do plano de investimento logístico da própria Vale. Quanto a equipamentos, a compra de 550 vagões já está em curso.

Paralelo a essa iniciativa, a CVRD anunciou investimentos de US$ 5 bilhões na construção da Companhia Siderúrgica Vitória, com porto e ferrovia, um empreendimento conjunto com o grupo chinês Baosteel Group Corporation, que deve participar com a maior parte do capital. Uma agência de fomento deve completar a oferta de recurso e pode ser tanto o BNDES como o seu congênere chinês. O que realmente importa nesse novo negócio é que o Brasil passa a integrar com maior poder o cenário mundial siderúrgico, sem esquecer que o Brasil passa a processar o minério aqui, rompendo um quadro de inércia estratégica em que o País é fornecedor preferencial de commodities para os seus parceiros chineses.

Convém não esquecer que nenhum desses projetos sairia do papel com uma Vale do Rio Doce ainda estatal. O poder de investimento da “velha Vale” era próximo de zero. Hoje, apenas, não teríamos um player relevante para bancar essa nova participação do Brasil no cenário mundial de mineração e produção de aço. Os que propõem um plebiscito sobre a reestatização da Vale precisam antes encontrar uma resposta para esse fato. (Gazeta Mercantil)

Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google