"O setor de ferramentas de corte está registrando forte crescimento em 2007", afirma José Edson Bernini, gerente Nacional de Vendas da Sandvik Coromant. Em sua opinião, o crescimento é geral, atingindo praticamente todos os setores industriais consumidores de ferramentas, desde o automotivo ao de pequenas peças, passando por petróleo e gás, sucroalcooleiro, máquinas agrícolas, aeroespacial etc.

Esse incremento, óbvio, está refletindo positivamente nos negócios da Coromant no Brasil. Porém, o gerente ressalta que os resultados que estão sendo colhidos pela empresa este ano é fruto de um trabalho iniciado há alguns anos. "Nós nos preparamos para esse crescimento do mercado", frisa.

Segundo Bernini, antes do salto que está se verificando em 2007, a Sandvik Coromant já vinha investindo na ampliação de sua estrutura, com a criação de grupos especializados no atendimento de segmentos específicos (automotivo, aeroespacial, moldes e matrizes e microusinagem) e até para o atendimento de alguns nichos de mercado. "Contratamos técnicos e formamos pessoal, tanto para o atendimento de segmentos específicos como para o departamento de especiais", diz, lembrando ainda os pesados investimentos feitos nos três últimos anos na ampliação da fábrica em São Paulo.

Quanto ao investimento em pessoal, o gerente acrescenta que essa é uma necessidade, na medida que a maioria das empresas reduziu bastante (quando não aboliu) os departamentos internos de ferramentas, repassando essa atividade aos fabricantes.

PRODUTIVIDADE - Ainda como resultado do aquecimento do mercado como um todo, os clientes estão sentindo necessidade de ampliar a produtividade. "Muitos clientes estão próximos do limite de sua capacidade, com dificuldades de atender pedidos. Essa nossa preparação anterior tem nos facilitado a apresentação de soluções a esses clientes", diz. "Como hoje até os prazos de entrega de máquinas estão se alongando, o aumento de produtividade é a solução".

No passado nem todos os clientes demonstravam predisposição para alterar seus processos, visando ampliar a produtividade. Esse quadro, porém, vem se alterando e alguns até tomam a iniciativa de solicitar estudos nesse sentido. "As ferramentas podem ajudar os clientes a fazer mais peças em menos tempo", observa, explicando que a consultoria em processos prestada pelos técnicos da empresa, em boa parte dos casos, tem alcançado incrementos de velocidade de 40 a 50%.

NOVOS PRODUTOS - Além disso, outro fator que tem promovido o crescimento da Sandvik são os novos produtos. "Só em 2007 já lançamos 3.150 novos itens", observa. Desses lançamentos, Bernini destaca as classes de pastilhas para torneamento da geração 4200, frisando que torneamento é o segmento mais importante do setor de usinagem no Brasil. "Os clientes têm demonstrado grande satisfação com as novas classes 4225, 4235 e agora também com a 4215". Segundo o gerente, são classes que permitem a realização de operações com dados de corte superiores, promovendo aumentos de produtividade de até 25% em relação às classes anteriores.

Bernini não informa o índice de crescimento da Coromant em 2007, mas garante que está acima do crescimento do setor de ferramentas como um todo. "Estamos crescendo acima da média do mercado e vamos continuar crescendo", garante.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia