Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Indústria cresce 4,3% em setembro

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Indústria cresce 4,3% em setembroA produção industrial no Brasil cresceu 4,3% em setembro de 2003 em relação ao mês de agosto. É o que indica a última pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que aponta um resultado positivo pela terceira vez consecutiva, levando a um crescimento de 6,9% entre junho e setembro deste ano. Segundo analistas da consultoria Global Invest, o crescimento indica uma recuperação do setor industrial. “O aumento da produção no fim de 2003 é superior aos aumentos do indicador nos mesmos períodos de 2002 e 2001”, informa a consultoria em relatório divulgado a clientes.

Na comparação com setembro de 2002, o crescimento foi de 4,2% e é o mais elevado do ano, superando o resultado de fevereiro, que foi de 4,0%. Dos 20 ramos pesquisados, 13 tiveram crescimento. Os de maior impacto sobre o índice global foram: indústria química (6,3%); mecânica (10,6%); de produtos alimentares (4,9%); e de material elétrico e de comunicações (9,2%). Dos 7 ramos em queda, os que mais pressionaram o índice geral foram vestuário e calçados (-6,8%), minerais não-metálicos (-5,9%) e produtos de matérias plásticas (-9,3%).

O aumento observado no ritmo de produção, entre agosto e setembro últimos, atingiu 16 dos 20 ramos pesquisados e 4 quatro categorias de uso. Destacam-se os resultados observados em mobiliário (14,5%), material elétrico e de comunicações (13,9%) e farmacêutico (10,7%). A produção metalúrgica, setor relativamente mais aberto às exportações, mas também com forte encadeamento interno, destaca-se por apresentar crescimento há 5 meses consecutivos com ajuste sazonal e acumula taxa de 8,6% entre março e setembro de 2003.

O crescimento generalizado de setembro também se deve pelo fato de que, dos 61 subsetores pesquisados, 40 cresceram. No último mês de agosto, somente 22 subsetores tiveram índices positivos.

A pesquisa também revela taxas positivas entre os meses de julho e setembro de 2003, tanto em relação ao mesmo período de 2002, com 0,2%, quanto em relação ao trimestre abril-maio-junho, que foi de 1,8%. Em comparação ao segundo trimestre do ano, nos meses de julho a setembro, a taxa mais elevada foi a de bens de consumo duráveis (7,4%), seguida de bens intermediários (2,4%), bens de capital (1,8%). A categoria de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis apresentou resultado negativo (-0,6%).

Na comparação com setembro de 2002, o crescimento de 4,9% no segmento de bens de consumo duráveis foi influenciado pelo desempenho da produção de eletrodomésticos que, em conjunto, cresce 11,7%, com o segmento da "linha marrom" (TV, rádio e som) atingindo 17,3% de aumento. Nesse mesmo tipo de indicador, a área de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis teve ligeiro crescimento (0,6%), sendo seu primeiro resultado positivo desde março de 2003, devido, basicamente, ao aumento de 13,6% verificado na produção de carburantes (gasolina e álcool). O desempenho de bens intermediários (4,3%) é muito próximo ao da média global da indústria (4,2%) e reflete o comportamento positivo de vários subsetores, como: insumos industriais elaborados (2,1%); peças e acessórios para bens de capital (25,3%); alimentos e bebidas elaborados para indústria (11,3%) e combustíveis e lubrificantes elaborados (5,8%).

O comportamento favorável da atividade industrial em setembro tem impacto nos índices de média móvel trimestral, que passam a apresentar movimento positivo em todas as categorias de uso. Na indústria geral, o aumento observado neste índice entre os meses de agosto e setembro é de 2,3%, com destaque para bens de consumo duráveis (4,1%), seguido de bens de capital (3,9%), bens intermediários (2,3%) e bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (1,0%).

O acumulado do ano entre os meses de janeiro e setembro apresenta um ligeiro aumento de 0,1% para a indústria geral, com a extrativa mineral crescendo 2,1% e a indústria de transformação caindo 0,2%. Em agosto, a extrativa mineral já apresentava esse mesmo ritmo, mas a indústria de transformação tinha taxa de -0,8%. Entre os 10 ramos com crescimento em setembro, o mecânico (9,3%) se mantém com o resultado mais importante, seguido do metalúrgico (5,3%) e de extrativa mineral (2,1%). As maiores pressões negativas sobre a taxa global da indústria foram a de vestuário e calçados (-13,8%), material elétrico e de comunicações (-5,4%) e farmacêutica (-18,6%).

Nos índices por categorias de uso, a de bens intermediários (1,3%) se manteve como o único segmento acima da média global. Nos demais, os índices foram negativos: bens de capital (-1,4%), bens de consumo duráveis (-3,5%) e bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (-3,8%).

O IBGE divulga mensalmente a pesquisa sobre a produção industrial no Brasil que abrange os seguintes Estados: Ceará, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Andréa Malta

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google