“2007 está sendo um excelente ano para a DMG Brasil", afirma o diretor da empresa Décio Lima, ressaltando que em novembro a filial brasileira do grupo Deckel Maho Gildemeister, fabricante de máquinas-ferramenta, já havia conseguido dobrar o faturamento em relação a 2006. Quanto ao número de máquinas vendidas, o resultado já é superior a 100%.

Para o diretor, em grande parte, o desempenho positivo deve ser creditado aos investimentos realizados na filial no ano passado. Entre esses investimentos, Lima destaca a instalação de um showroom em São Paulo e o significativo reforço nas equipes de vendas, assistência técnica e engenharia de aplicação. "Essa melhora na estrutura aumentou bastante nossa capacidade de resposta às demandas de nossos clientes", explica.

Lima reconhece que o crescimento econômico brasileiro e a conseqüente retomada de investimentos pelos clientes tem sido fundamental nesse desempenho. "Aliás, a economia mundial está favorável em 2007, permitindo ao grupo DMG estabelecer novos recordes de produção e vendas", acrescenta.

Globalmente, o grupo DMG, com sede na Alemanha, deve crescer 23% em 2007. Fato marcante no desempenho do grupo ocorreu durante a EMO 2007, realizada na Alemanha em setembro, quando a empresa comercializou 526 máquinas (nove delas para o Brasil), num total de 162,6 milhões de euros.

Para Lima, os recentes desenvolvimentos tecnológicos do grupo DMG, tanto na parte mecânica quanto na área de software, também têm sido decisivos no aumento das vendas. No que se refere à área de informática industrial, o diretor destaca os softwares de monitoramento de colisão e simulação de usinagem em tempo real (virtual machine).

Quanto às inovações na área mecânica, exemplifica com o modelo recém-instalado na fábrica da Walter do Brasil, em Sorocaba (SP). Trata-se do centro de usinagem universal DMU 80P duoBlock, de altíssima velocidade, com capacidade para usinar em cinco eixos integrados e simultâneos. "Essa máquina traz a tecnologia duoBlock, uma patente da Deckel Maho", observa. Na tecnologia duoBlock a base e a coluna da máquina são fixas, enquanto o carro se desloca na coluna. Com isso, explica Lima, se obtém menor volume de massa em movimento, o que possibilita maior dinâmica, melhor rigidez e mais precisão.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Máquinas & Equipamentos
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Máquinas & Equipamentos