O fundo NSG Capital, que ano passado adquiriu a fabricante gaúcha de tubos de aço Zamprogna, quer pelo menos dobrar a sua presença no mercado até o final do ano por meio de novas aquisições e crescimento orgânico. A Zamprogna projeta encerrar 2008 com um volume de vendas na ordem de 370 mil toneladas e acredita ser possível fechar 2009 com um montante comercializado entre 700 mil e 1 milhão de toneladas, disse o presidente da empresa e sócio- administrador do fundo, Luiz Eduardo Abreu.

Segundo Abreu, estão em andamento negociações com nove empresas e algumas aquisições devem ser anunciadas ainda este ano. A compra pode envolver outras fabricantes de tubos ou companhias que permitam a diversificação do portfólio da empresa. Todas as conversações, porém, envolvem empresas de porte inferior ao da Zamprogna, que teve ano passado um faturamento de R$ 1 bilhão e projeta cerca de R$ 1,3 bilhão para 2008.

O fundo, conforme Abreu, estima investimento de R$ 300 milhões no plano, parte do caixa da instituição e o restante via endividamento. Outra possibilidade estudada pela Zamprogna é realizar uma oferta pública de ações para obter recursos.

Abreu diz que a voracidade do fundo também dependerá da sinalização da economia brasileira. Ele acredita que o cenário é positivo para o futuro próximo, apesar de uma possível acomodação passageira do ritmo de crescimento do País. "O mercado cresceu muito e a tendência é de alta", confia Abreu. Segundo ele, também não tem sido difícil repassar os reajustes do preço do aço. "Nossa margem é em torno de 5%. Como não vou repassar três aumentos de 15%?"

No curto prazo, o único obstáculo a ser driblado será uma possível escassez de aço no mercado interno. Abreu lembra que as três usinas brasileiras que produzem aços planos irão parar para manutenção no terceiro trimestre, uma coincidência que deve gerar "aperto" no fornecimento. Para se precaver, a estratégia será aumentar os estoques. A Zamprogna trabalha com estoques para 30 dias e a idéia "é aumentar um pouco" o volume de aço depositado nas unidades da empresa - além da matriz em Porto Alegre, a Zamprogna conta com outra unidade em Campo Limpo Paulista(SP) e um centro de serviços em Guarulhos (SP).

Além de tubos, a Zamprogna produz perfis de aço carbono e inox e telhas de aço. A empresa atende principalmente os segmentos automobilístico, de máquinas agrícolas, linha branca, petróleo, instalações industriais e construção civil. Após adquirir a Zamprogna, o fundo investiu R$ 50 milhões e ampliou a capacidade instalada da empresa de 22 mil toneladas para 30 mil toneladas/mês.

Autor(es): Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia