Fabricante de ferramentas de corte de origem norte-americana, a Stellram acaba de completar seu primeiro ano de atuação no mercado brasileiro. "Tínhamos uma meta de faturamento para três exercícios e já no primeiro ano alcançamos 50% desse objetivo", comemora Eduardo Farina, responsável pela implantação do projeto Stellram na América Latina.

Segundo Farina, além do bom desempenho das ferramentas nos testes realizados em clientes no Brasil, vários fatores contribuíram para o sucesso da implantação da marca no País. Um deles foi a rápida estruturação da rede de revenda, que hoje já conta com 19 distribuidores/importadores, instalados nos principais pólos metal-mecânicos brasileiros. "Temos ainda algumas regiões em aberto, como é o caso de Santa Catarina e Espírito Santo", lembra.

Outro fator lembrado por Farina é a condição de importadores de toda a rede de distribuição. "Com a importação direta evita-se a bitributação de impostos, o que aumenta a competitividade de nossos produtos no mercado nacional", informa, lembrando que a eficiência na reposição de estoques - derivada da importação direta - também tem sido outro diferencial.

Na opinião de Farina, esses fatores permitiram à Stellram concorrer com as principais marcas mundiais no mercado brasileiro, mas que de nada adiantaria se as ferramentas não apresentassem bom desempenho na prática. "E temos conseguido aprovar rapidamente nossos produtos em muitos clientes", diz, lembrando que algumas famílias de produtos têm-se destacado, como é o caso das classes NL37 e NL30, para o torneamento de aços em geral, a MP 37 para aços fundidos e a SC1519 para ferros fundidos, assim como as X500 e X400 para o fresamento de aços.

Nos próximos dias 2 e 3 de agosto, em Sumaré (SP), a rede de distribuidores no Brasil estará reunida com representantes da Stellram. C. Hagan, diretor mundial de Vendas, fará uma apresentação sobre o posicionamento do grupo no mundo e as expectativas em relação ao Brasil. Já M. Gardner, gerente Técnico de Torneamento, falará sobre os novos desenvolvimentos da marca, como as novas classes como cobertura nano para usinagem de aço inox e titânio e classes em CVD para ferro fundido, além de apresentar a nova linha de brocas Hard Core.

Farina avalia que os novos produtos certamente vão contribuir para manter e até aumentar o ritmo de crescimento da Stellram no mercado brasileiro. "Nossa expectativa é alcançar uma performance de vendas 50% maior que a dos primeiros doze meses", afirma.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia