Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Empresa incubada em São Carlos produz bioplástico

Mais notícias relacionadas a meio ambiente:

Lubrificantes Fênix minimiza impacto com oxidação térmica
A preocupação com o meio ambiente está no DNA da empresa desde sua fundação.


Empresas de biotecnologia representam Brasil na Bio 2013
Maior convenção do setor acontece em abril nos EUA


Para que servem as cortinas de lodo
Também conhecidas como barreiras de lodo, são usadas para evitar que sedimentos de construção poluam ...


Substituir o petróleo pela batata, cana-de-açúcar, milho ou mandioca na produção de sacos de supermercado, sacos de lixo, bandejas, cestos, vasos de flores, tubos para reflorestamento. Um sonho concretizado para os defensores dos produtos biodegradáveis. É o bioplástico, uma matéria-prima desenvolvida a partir do amido e dos resíduos desses produtos.

O responsável pela produção da matéria-prima é o engenheiro de materiais, João Carlos Godoy, sócio da empresa Biomater Eco-Materiais Ltda, de São Carlos, interior de São Paulo. A empresa atualmente está incubada no Cedin-Fiesp, na cidade de São Carlos, interior de São Paulo, e tem parceria com a Universidade de São Paulo, a Universidade Federal de São Carlos e outras instituições e empresas.

Antes da Biomater, Godoy desenvolveu uma empresa de engenharia de materiais. O negócio era tão bom que foi comprado por uma multinacional. De volta a universidade, pesquisou a produção de polímeros de fontes renováveis.

Com recursos próprios e financiamentos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), os primeiros produtos foram lançados em 2007. Este ano, durante a 4ª ExpoSustentat, Godoy está mostrando a possibilidade das sacolas plásticas biodegradáveis.

“O mercado orgânico foi o grande incentivador dos plásticos biodegradáveis na Europa porque o consumidor orgânico vê com desconfiança as embalagens convencionais”, diz. Segundo o empresário, existem no mundo 120 empresas produzindo bioplástico. No Brasil, existem apenas cinco.

Além do milho, da mandioca, da cana e da batata, existem muitas outras culturas promissoras para a fabricação do bioplástico, como o girassol e o tabaco. Por mês, a Biomater produz 20 toneladas de matéria-prima. “O Brasil produz 6 milhões de toneladas de plástico e o mundo 200 milhões de toneladas por ano. Por isso, o mercado do bioplástico deverá crescer muito nos próximos anos”.

O engenheiro agora está em busca de investidores e parceiros agrícolas para construir fábricas do bioplástico em diversas regiões do País, com ênfase nas culturas locais, como a mandioca no Nordeste, a batata em Goiás ou a cana na região Sudeste.

Godoy pretende também começar a exportar o produto. Para tanto, já fez uma parceria com uma empresa holandesa, a Rodenburg Biopolymers para estabelecer os canais de exportação. “O nosso bioplástico é muito mais barato que o fabricado na Europa”. A Rodenburg produz 50 mil toneladas de bioplástico por ano.

No Brasil, os primeiros produtos já estão sendo comercializados em floriculturas e pequenas lojas. Algumas empresas já estão adotando as “sacolinhas” biodegradáveis. De acordo com o empresário, o produto é mais caro que o convencional porque a matéria-prima é mais cara. “O que ameniza um pouco o preço é que, apesar de o processo de fabricação ser muito semelhante ao plástico, o bioplástico gasta 50% menos energia elétrica.

Godoy acredita que já há muita gente interessada em desenvolver o bioplástico em uma escala comercial maior e, quando isso acontecer, chamará a atenção do governo brasileiro. “No mundo, o bioplástico é uma matriz que tem incentivos governamentais porque economiza petróleo. No Brasil, algum dia isso também vai acontecer”.

Vantagens

A maioria dos plásticos produzidos no mundo são sintéticos, compostos derivados de petróleo e demoram de 200 a 400 anos ou mais para se degradarem. O problema maior dessa grande demanda é que estudos mostram que somente 15% dos plásticos de uso comum são reciclados, devido à dificuldade para separar a grande diversidade existente, custos de lavagem, contaminação de água/tratamento de efluentes, elevados custos de logística para transporte e manuseio desses materiais.

Já o bioplástico em contato com um ambiente biologicamente ativo, ou seja, que tenha presença de bactérias e fungos, associado à temperatura e umidade, é transformado novamente em gás carbônico e água, concluindo o ciclo de vida sem impactar o meio ambiente. Quando utilizado nas compostagens, o bioplástico leva apenas 18 semanas para se decompor, virando lixo orgânico para adubação.

Agência Sebrae de Notícias

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a meio ambiente:

ABNT lança norma sobre manufatura reversa de eletroeletrônicos

Nesta sexta-feira (19 de abril), a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) apresenta em São Paulo a norma ABNT NBR 16156:2013 - Resíduos de equipamentos eletroeletr ...
Desenvolvimento econômico sustentável

O termo desenvolvimento econômico sustentável refere-se ao saldo de crescimento econômico junto com as necessidades sociais e ambientais. Para que o crescimento econômico seja considerado sustent ...
Como funciona um sistema de esgotos

Um sistema de esgoto de águas residuais move o material isolado a partir de seu ponto de origem, de modo que possa ser eliminado ou tratado. Existem três principais ...
Prós e contras de sacolas reutilizáveis

Com tantos problemas ambientais que assolam o planeta, o ideal seria que todas as pessoas contribuíssem para evitar a poluição originada pelo acúmulo de lixo, especialmente por ...
Poluição causada por produtos plásticos

O plástico tornou-se um produto essencial para as pessoas ao redor do mundo. Desde a sua descoberta por Alexander Parkes em 1852, tem sido um dos produtos mais usados ...
O que é biorremediação

A biorremediação é um método, dentro do campo da biotecnologia, criado para impedir as crescentes ameaças provenientes de formas graves de poluição ambiental. Como o nome sugere ...
Ministro da Economia alemão ainda se opõe a licenças de emissão de carbono

Ministério da Economia da Alemanha continua em oposição a um plano da União Europeia para conter um excesso de oferta de licenças no maior mercado mundial ...

Meio Ambiente
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Meio Ambiente


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google