Quando a crise financeira mundial chegou ao mercado nacional, a filial brasileira da GE Fanuc já havia superado o faturamento obtido em 2007. "Seguramente vamos fechar 2008 com crescimento em relação ao ano passado", diz Walmyr Buzatto, gerente geral da GE Fanuc no Brasil. "Com a crise, o resultado deve ficar um pouco abaixo do que havíamos planejado para este ano, mas ainda assim vamos crescer cerca de 15%".

Além da crise, outro fator também interferiu no desempenho da empresa em 2008. A greve da alfândega em abril/maio, ocasionou o represamento da entrega de pedidos, que só em setembro a empresa conseguiu regularizar. Logo em seguida veio a crise.

Mas Buzatto diz não estar pessimista. Segundo ele, a princípio a crise assustou os fabricantes de máquinas, provocando adiamentos de pedidos e alguns poucos cancelamentos. Passado o período inicial, a empresa voltou a receber pedidos. A alta do dólar gerou algumas negociações, obrigando também a filial a trabalhar com margens mais apertadas.

Para 2009, o gerente diz que a GE Fanuc vai focar o usuário final. "Vamos ampliar a penetração e a capilaridade de nosso suporte técnico e procurar deixar nossos clientes mais confortáveis e seguros", informa Buzatto, acrescentando que "a equipe é bastante enxuta e uma pequena queda não deve afetar o quadro de funcionários".

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas