Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

CST fará venture com Sun Coke e Belgo para produção de coque

Mais notícias relacionadas a energia:

Parques eólicos offshore
Plantas de geração de energia podem ser erguidas em rios, lagos e no mar.


Como funciona a Caixa de Bloom
Esta é uma adaptação da tecnologia de células de combustível de óxido sólido, que gera ...


O que é combustível sem fumaça
Alguns combustíveis sólidos comuns que normalmente são considerados sem fumaça são carvão antracite, coque, carvão ...


A Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), maior produtora de placas de aço do mundo, está formatando uma joint-venture para a construção de sua coqueria e de uma termelétrica para garantir o abastecimento de energia para a usina após seu projeto de expansão de capacidade (das atuais 5 milhões de toneladas para 7,5 milhões de toneladas anuais).

A joint-venture - cujos detalhes serão anunciados nos próximos dias - envolverá a CST (60% do capital total), a Belgo-Mineira (20%) e a siderúrgica norte-americana Sun Coke (outros 20%), de acordo com o presidente da usina capixaba, José Armando Campos, durante apresentação dos relatórios anuais ambiental e social de 2003 (ver reportagem na página A-7).

O investimento total na coqueria e na termelétrica é da ordem de US$ 390 milhões. Numa etapa posterior, disse Campos, a Acesita poderá integrar o projeto, comprando da Belgo-Mineira o equivalente a 5% da coqueria. A Companhia Vale do Rio Doce - por meio de sua controlada Rio Doce Manganês - também poderá adquirir, da CST, outros 5% do novo empreendimento.

A Sun Coke iria construir, sozinha, uma coqueria no Espírito Santo, com investimento total da ordem de US$ 1,3 bilhão (parte dos recursos viria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES). Entretanto, a norte-americana desistiu do empreendimento, "devido ao risco de falta de energia elétrica, pela indefinição e pouca clareza do modelo energético", disse o presidente da CST.

As obras da coqueria - que terá capacidade de produção de 1,55 milhão de toneladas de coque por ano - deverão começar ainda neste ano. Já a expansão da siderúrgica, que está em sua terceira fase, terá início em agosto. Os investimentos totais na ampliação da capacidade de produção da CST são de aproximadamente US$ 1,1 bilhão e deverão ser concluídos até o final de 2006.

Do aporte total previsto para a ampliação, a CST já fechou contratos de US$ 300 milhões, entre obras, construção de alto-forno, convertedores e um desgaseificador. A CST deverá desembolsar US$ 840 milhões no projeto; o restante virá de financiamentos do BNDES (cerca de 60%) e de institiuições internacionais.

Energia própria

A nova termelétrica queimará os gases provenientes da coqueria para a produção de 150 MW de energia, que ficarão a cargo da CST. Desse total, 20 MW serão usados na coqueria e 130 MW serão vendidas ao mercado pela siderúrgica.

O consumo do coque (insumo para a produção do aço) será dividido entre CST (60% do volume total da coqueria), a Belgo-Minera (25%) e os restantes 15% ficarão com Acesita e a Vale.

O presidente da CST disse que o aumento da participação do grupo europeu Arcelor na CST não muda em nada a política de crescimento da empresa. "As estratégias já eram decididas em parceria com os acionistas", afirmou. A Arcelor, maior siderúrgica do mundo, comprou a participação integral (20,5% do capital votante) que a Companhia Vale do Rio Doce detinha na CST por US$ 579 milhões, em negócio concluído no final de junho. "O que vai balizar o crescimento da produção de bobinas de aço será o aumento da demanda no mercado interno", afirmou Campos.

Produção de bobinas

O executivo também não quis comentar o objetivo do BNDES, que pretende transformar o crédito que tem para receber da CST por participação acionária direta na empresa. "Quem negocia esse assunto são os acionistas", disse.

O executivo disse que em 2007 ou 2008 a empresa deverá aumentar a produção de bobinas, produto com maior valor agregado. Em 2006 a empresa deverá produzir cerca de 2,4 milhões de toneladas de bobinas de aço, 20% a mais que a projeção de 2 milhões de toneladas deste ano.

Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a energia:

Destilador usa energia solar para purificar água

A empresa israelense SunDWater lançou um dispositivo ecológico e de baixo custo e manutenção que usa energia solar para limpar água poluída ou salgada. A novidade ...
Cummins Diesel concentra forças no Nordeste brasileiro

O término de algumas obras do PAC e a conclusão de unidades fabris no Nordeste do Brasil nos últimos anos têm levado empresas do setor energético ...
Como funciona um ímã supercondutor

Um ímã supercondutor é um eletroímã, onde as bobinas são feitas de um supercondutor tipo II. Ele pode facilmente criar campos magnéticos contínuos de 100.000 Oersted ...
Energia mecânica elétrica

Energia mecânica elétrica pode ser criada de duas maneiras: com um gerador elétrico ou um motor. O termo gerador elétrico é usado para descrever uma série ...
O que é sustentabilidade energética

A sustentabilidade energética desempenha um papel importante no nosso mundo e na atual geração populacional. É uma forma de sermos capazes de fazer uso dos recursos presentes num processo ...
Chile solicita licitações para exploração solar na América do Sul

O Chile vai solicitar propostas no próximo ano para construir a maior fazenda solar da América do Sul, pois o governo pretende dar o pontapé inicial de investimentos ...
Campanha da Eletrobras desmistifica energia nuclear

A Rota da Energia Nuclear, novo projeto da Eletrobras, tem como objetivo explicar de forma didática como é feita a produção de energia nessas usinas. A ação, criada ...

Energia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Energia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google