Lubrificante convencional, sintético ou mescladoO lubrificante convencional de motor é refinado a partir de óleo bruto proveniente do petróleo. O petróleo é uma substância natural que contém milhões de diferentes tipos de moléculas, muitas delas são similares em peso, mas diferem na estrutura. Os óleos lubrificantes refinados contêm uma grande variedade de moléculas, muitos dos quais não são necessárias ou mesmo compatíveis com o óleo. Algumas das moléculas encontradas nos lubrificantes refinados são prejudiciais para o sistema de lubrificação. Por exemplo, a parafina, um componente comum originado de petróleo refinado, faz com que os óleos refinados engrossem e fluxo em temperaturas frias. Algumas moléculas de óleo refinado também podem conter enxofre, nitrogênio e oxigênio, que podem atuar como contaminantes e incentivar a formação de limos e outros subprodutos de degradação de petróleo. Os lubrificantes sintéticos, por outro lado, não são refinados, são puros, uniformes e homogêneos.

Porque eles são projetados a partir de substâncias químicas puras, os lubrificantes sintéticos não contêm os contaminantes ou moléculas que não servem a um propósito específico. Os óleos sintéticos abrangem apenas os agentes moleculares necessários para lubrificar e proteger os componentes de forma eficaz e eficiente. Os óleos sintéticos contam apenas com moléculas lubrificantes, que deslizam facilmente um no outro. A facilidade com que as moléculas do lubrificante deslizam uns sobre os outros afeta a habilidade do lubrificante de reduzir o atrito, que por sua vez, compromete o controle de desgaste, o controle térmico e eficiência energética. Existem cinco tipos básicos de classificação de lubrificantes de base, que são:

Lubrificantes de Base - Grupo I

Os óleos de base do grupo I são os menos refinados de todos os grupos e geralmente são uma mistura de hidrocarbonetos de cadeia molecular irregulares com pouca ou nenhuma uniformidade. Enquanto alguns lubrificantes automotivos no mercado de hoje ainda usem estoques de base do Grupo I, são mais comumente utilizados em aplicações menos exigentes.

Lubrificantes de Base - Grupo II

Óleos de base do Grupo II são comuns na maioria dos lubrificantes de motor convencional (à base de petróleo). Eles têm um bom desempenho nas propriedades lubrificantes, tais como volatilidade, estabilidade oxidativa, entre outros.

Lubrificantes de Base - Grupo III

A maioria das grandes marcas de lubrificantes sintéticos são realmente sintéticos mesclados. A Shell e outras empresas petroquímicas são exemplos de empresas que desenvolvem processos que envolvem a conversão catalítica de estoques de alimentação sob pressão na presença de hidrogênio em óleos lubrificantes de alta qualidade mineral.

Lubrificantes de Base - Grupo IV

Os lubrificantes de base sintética são produzidos em larga escala nas indústrias e são adaptados para ter uma estrutura molecular com propriedades controladas, ao contrário dos óleos minerais de base que são misturas complexas de hidrocarbonetos de origem natural. Polialfaolefinas sintéticas, quando combinadas com aditivos, oferecem excelente performance durante a mais ampla gama de propriedades de lubrificação. Além de composições químicas muito estáveis, esses óleos de base estão se tornando mais comuns na fabricação de fibras sintéticas e até mesmo na mistura de produtos sintéticos.

Lubrificantes de Base - Grupo V

São os lubrificantes não-sintéticos, usados na formulação de aditivos de outros lubrificantes. Entre os benefícios dos óleos sintéticos do grupo IV encontramos: controle de temperatura, alto índice de viscosidade, estabilidade térmica e oxidativa, controle de fricção, baixa volatilidade, aumento do desempenho, maior potência, redução das emissões, vida útil do motor aumentada, diminuição da dependência do petróleo estrangeiro, menos resíduos de óleos com vantagens ambientais e necessidade reduzida de troca e manutenção de lubrificantes.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Manutenção
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Manutenção