A Elring Klinger deve fechar 2004 com aumento de produção da filial brasileira da ordem de 75% em relação a 2003 e faturamento superior em 40%. A indústria planeja concluir o ano com produção de 11 milhões juntas automotivas e 600 mil chapas defletoras. Em 2003, a produção foi de 6,8 milhões de unidades do primeiro item e 300 mil do segundo.

Além aumentar a produção, a Elring Klinger estuda a compra de um novo terreno de 20 mil m²para a construção de uma fábrica de 10 mil m². Para isso, irá investir cerca de R$ 20 milhões no país até o final de 2005, gerando 70 novos empregos. "A cada ano, a unidade no Brasil vem ganhando maior projeção mundial. Ela é a única do grupo, por exemplo, a produzir juntas de metal soft Ferroflex, material exportado para todo mundo por meio de nossa matriz na Alemanha", conta Hans Eckert, diretor da Elring Klinger no Brasil.

Desde que se instalou no Brasil em 1997, a Elring já investiu em sua fábrica instalada em Piracicaba (SP) R$ 47 milhões e vem obtendo crescimento médio de faturamento e de produção de aproximadamente 30% ao ano. Atualmente, a indústria conta com participação acima de 50% na produção de juntas de cabeçote para o mercado brasileiro.

A empresa exporta para toda a América do Sul, México, Alemanha e Espanha, sendo ainda detentora da maioria dos certificados de qualidade do setor automotivo. Em 2004, o volume de exportação deve ser 100% maior que o alcançado em 2003.

Os carros-chefes da Elring Klinger do Brasil são as juntas de cabeçote de multicamadas (MLS) e as chapas defletoras (tipo sanduíche). Em 2004, a produção de juntas irá alcançar 11 milhões de peças, sendo oito milhões de juntas especiais e três milhões de juntas de cabeçote. A produção de chapas defletoras (com isolação térmica e acústica) será neste ano de 600 mil peças, sendo essas produzidas de diversos materiais (alumínio, aço aluminizado e aço inox com diversas camadas e com folhas isoladoras no meio).

A Elring Klinger conta hoje com 90 colaboradores e irá contratar mais 10 funcionários devido à nova linha de produção. Quando a nova unidade fabril estiver concluída, o que deve ocorrer até abril de 2005, a indústria estará pronta para criar mais 70 postos de trabalho.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia