As organizações de fornecimento de água e tratamento de esgoto em todo o mundo enfrentam fortes pressões do governo e cidadãos para serem mais sustentáveis e estrategicamente "verdes", diminuindo o consumo de energia, bem como os custos. Identificar formas de reduzir as emissões de carbono é uma tarefa difícil para as empresas de tratamento de água. O funcionamento destas operações é complexo, o qual requer uma infraestrutura com muitas partes em movimento, consumindo uma enorme quantidade de energia.

Estudos têm demonstrado que a manutenção dos ativos das empresas pode reduzir consideravelmente o consumo de energia em 15%. Mas, considerando o alto custo da energia, essa redução não é apenas ambiental, mas também rentável. Como só se pode controlar o que é possível medir, a sugestão é diminuir o consumo energético dos ativos, com um sistema que integre a gestão energética com a gestão de ativos.


Isto significa um monitoramento cuidadoso do consumo energia dos ativos por meio da implementação de um sistema de manutenção preventiva abrangente, que considera o uso de energia e inclui todos os planos de aquisição de reagentes, o fornecimento ou a substituição dos ativos. Em outras palavras, uma solução que monitora cada um dos ativos, bombas de água, sistemas de filtragem e acompanha o desempenho em relação aos níveis ideais. Quando os ativos ficam abaixo do ponto aceitável, é gerada uma ordem de trabalho para resolver o problema de maneira que o equipamento funcione eficientemente, diminuindo o desperdício e o uso energético.

Por exemplo, um único motor de 100 HP que funciona continuamente com 95% de eficiência ao longo de um período de cinco anos, o custo de energia será de aproximadamente U$D 350 000 (considerando um custo de U$D 0,10 kwh). Se o mesmo motor consumir apenas 5% a mais de energia, devido ao funcionamento deficiente, o mesmo custará cerca de U$D 17 500 a mais para operar. Neste caso, se o motor ineficiente for conectado a um sistema integrado de gestão de ativos, automaticamente é emitido um aviso de que o consumo de energia é inaceitável, emitindo uma ordem de serviço para a inspeção. Tradicionalmente, os ativos continuariam com o aumento de consumo gradua, gastando milhares de dólares em custo e consumo de energia que poderiam ter sido salvos.

Para resolver este problema, as organizações de abastecimento de água e esgoto encontraram uma solução que ajuda a reduzir custos e emissões de carbono, mantendo o consumo de energia em níveis aceitáveis. As soluções mais eficazes são aquelas que integram a gestão com gerenciamento de energia. Muitas empresas utilizam ferramentas de gestão de ativos, e algumas ferramentas para controlar o consumo de energia, mas poucas empresas tiram proveito da interação entre as duas ferramentas.


Tradicionalmente, tanto no setor público quanto o privado, o gerenciamento de ativos permite que as empresas de manufatura, distribuição e serviço poupem tempo e dinheiro por meio da otimização dos recursos de manutenção, melhoria da produtividade e da equipe de funcionários. Isso leva o aumento da eficiência do inventário e reforço da capacidade para cobrar garantias. Além disso, algumas das mais sofisticadas ferramentas de software ajudam a melhorar a rentabilidade e o desempenho futuro dos ativos. Este resultado é mais que suficiente para a maioria das empresas no mundo.


No entanto, a gestão de ativos para as empresas de fornecimento de água e esgoto é ainda mais complexa, já que a natureza do serviço exige recursos que proporcionam água pressurizada nas casas.


Os sistemas de gestão energética têm ajudado as organizações ao longo de décadas, permitindo fazer um feedback de quanta energia é consumida pelos ativos. Ao colocar os dispositivos de controle sobre o computador, estes sistemas podem monitorar o uso da energia e fornecer um relatório. Com esses dados, a equipe pode atribuir trabalhos reparação, recuperando o bom funcionamento energético. Depois destes passos, a empresa reduz o gasto energético e desperdício de custos.


Ao integrar a gestão de ativos com a gestão de energia, é necessário investigar relatórios para descobrir os equipamentos com mau funcionamento. Se um dispositivo de monitoramento detecta que um equipamento esta funcionando abaixo de seu nível aceitável, é enviado uma alerta ao sistema de gestão de ativos. O sistema dispara uma ordem de trabalho para reparar a mudança de ativos, garantindo que todo o equipamento funcione em nível ótimo. Um sistema completo onde a gestão de ativo integra o consumo energético ajuda a diminuir o consumo de energia e as emissões em aproximadamente 15%, diminuindo drasticamente os custos, fortalecendo a reputação, e melhorando os serviços ao cliente por meio de práticas amigáveis com o meio ambiente.

A Infor oferece a seus mais de 70 mil clientes o melhor, e mais colaborativo, relacionamento que um fornecedor de softwares de negócios pode oferecer. Os produtos Infor são de rápida implantação e fácil gerenciamento. São softwares criados para evolução, e não revolução. Existe uma maneira melhor! Para saber mais, visite www.brasil.infor.com ou www.infor.com

Por Celso Tomé Rosa, VP Infor Brasil

Mais informações http://www.infor.com/goinggreen/

http://brasil.infor.com/solutions/eam/

Autor(es): Assessoria de Imprensa

facebook      twitter      google+

Meio Ambiente
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Meio Ambiente