Statoil envia FPSO para campo de Peregrino, no BrasilA petrolífera norueguesa Statoil, com uma carteira bem estabelecida, continua a procurar oportunidades de expansão para garantir seu lugar entre as empresas top de exploração e produção de petróleo. Morten Ruud, diretor do projeto Peregrino, disse em entrevista ao Offshore, em Cingapura: "Estamos atuando em todas as bacias potenciais, a partir da plataforma do Mar do Norte, Golfo do México, da África e no mar Cáspio", disse o diretor após o batismo de um FPSO da Statoil que está operando no campo offshore de Peregrino, no Brasil. Peregrino é o maior campo internacional da companhia e o maior projeto da Statoil fora da Noruega.

A empresa está usando a tecnologia comprovada em outros recursos no Brasil. Um exemplo é a perfuração horizontal. Esta técnica foi utilizada no campo de petróleo no Mar do Norte e está sendo aplicado em Peregrino. Basicamente, a "perfuração horizontal" refere-se à perfuração de um número de poços em diferentes direções a partir do mesmo local para melhorar a drenagem do campo.

O desenvolvimento no campo de Peregrino conta com 30 produtores de óleo horizontal, sete poços de injeção e duas plataformas. O FPSO será colocado entre as duas plataformas para receber e processar os wellstreams. A produção é de óleo viscoso pesado dirigido através do reservatório Peregrino. Portanto, a Wellstream tem uma alta proporção de água e as necessidades de capacidade de tratamento importante para lidar com ela.

A Wellstream será aquecida em tanques a bordo do navio de produção, o que melhora a separação da água. A água será bombeada de volta para o reservatório para ajudar a manter a pressão do reservatório na recuperação avançada de petróleo. O FPSO Maersk atuará no campo offshore de Peregrino, no Brasil. Está sendo fretado pela Statoil por um período de 15 anos, com opções para mais 15 anos de prorrogação de contrato. A FPSO Maersk Peregrino tem previsão de iniciar a produção de petróleo em janeiro de 2011.

Enquanto o projeto FPSO Maersk de Peregrino foi gerido pela Maersk FPSOs na Dinamarca, o projeto de engenharia de front-end foi realizado no Brasil, e o projeto de engenharia principal foi elaborado na Dinamarca, Noruega, Estados Unidos, Índia e Cingapura. Partes das instalações de processamento foram adquiridos nos Estados Unidos, Brasil, Europa e Sudeste Asiático. Os módulos foram construídos na Indonésia e a integração final a bordo do navio ocorreu em Keppel Shipyard, em Cingapura.

O FPSO está equipado com tecnologia inovadora e capaz de geração de energia significativa, o que é necessário para separar o óleo do gás, areia e água. O armazenamento do petróleo bruto também exige aquecimento para impedir que ele se solidifique nos tanques. Como tal, o navio tem instalações de produção altamente especializadas a bordo, incluindo dois trens de produção e três caldeiras a vapor para processamento de petróleo bruto pesado. Suas três turbinas a vapor são projetadas para 75 MW de energia elétrica.

Convertido a partir de um novo VLCC, Nova Maersk, o FPSO Peregrino tem 58 m de largura e 345 m de comprimento. Ele será atracado em 100 m e possui 15 módulos de pesagem 12.500 toneladas. Ele é projetado para processar 100 mil b / d de petróleo, 350 mil b / d de líquidos, e 7,3 MMcf / d de gás natural. Sua capacidade de armazenamento é de 1,6 MMbbl de petróleo.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás