Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Usiminas traça planos para quarto alto-forno

Mais notícias relacionadas a empresas:

Golden apresenta lâmpadas com elevado fator de potência
Linha possibilita usar luz fluorescente em locais grandes com pé direito alto, oferecendo ótima iluminação.


Banco do Brasil facilita compra de equipamentos
BB Crédito Empresa serve para companhias que faturam até R$ 90 milhões anualmente


Honda Brasil investe em energia eólica
Novo parque de energia irá suprir toda a demanda da fábrica de Sumaré (SP) e ...


Animada pelo crescimento da demanda nos mercados interno e externo, a siderúrgica Usiminas, segunda maior fabricante de aços planos do país, iniciou estudos para a construção de um quarto alto-forno na usina de Ipatinga (MG). O presidente da empresa, Rinaldo Campos Soares, anunciou o início da análise do projeto em encontro com representantes dos distribuidores de aço. A decisão final sobre o investimento deverá estar tomada num prazo máximo de três anos, conforme informou o executivo. Ontem ele esteve reunido com analistas de investimento na Cosipa.

Nos planos de expansão da siderúrgica estão também uma nova coqueria, investimento de US$ 200 milhões que deverá estar aprovado até o fim deste ano. Soares contou aos distribuidores que a meta é atingir a auto-suficiência em coque. Outros US$ 60 milhões deverão ser aplicados na construção de uma termelétrica, que garantirá a geração de 53% da energia consumida pela siderúrgica.

Para a construção do novo alto-forno, os estudos da Usiminas vão levar em conta a previsão de demanda, preços mundiais e comportamento do mercado externo. Segundo Soares, a siderúrgica quer agir com bastante cautelosa na análise do projeto.

Hoje, com três alto-fornos em operação, a siderúrgica mineira está muito perto do limite máximo de produção. Para atingir neste ano uma produção de 4,8 milhões de toneladas de aço, 300 mil a mais do que em 2003, a companhia precisou colocar em funcionamento até equipamentos antigos que estavam parados, como um forno de reaquecimento de chapas.

A capacidade dos três alto-fornos é de 12,4 mil toneladas de ferro-gusa por dia. Os fornos 1 e 2 têm capacidade de 2,15 mil toneladas por dia, cada. O de número 3 produz 8,2 mil toneladas por dia.

Segundo Soares, em sua palestra aos distribuidores, o momento exige investimentos em aumento da capacidade de produção das siderúrgicas de produtos acabados (chapas e galvanizados). Atuam neste segmento a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e a Vega do Sul. Os investimentos recentes vieram de fabricantes de produtos semi-acabados (placas), como a Companhia Siderúrgica Tubarão (CST).

Nesse cenário de capacidade no limite, algumas usinas, como a CST, já optaram pela expansão de produção, enquanto outras estão no momento focadas em redução da sua dívida. É o caso da Usiminas, cujo endividamento corresponde hoje a uma vez e meia a sua geração de caixa, o que é um pouco mais alto em relação aos seus concorrentes nacionais. Marcelo Aguiar, analista da Merrill Lynch, acredita, porém, que a Usiminas deverá anunciar algum projeto de expansão mais significativo ao longo de 2005.

O próprio presidente da Usiminas afirmou há poucos dias, quando divulgou o balanço do segundo trimestre, que a prioridade da empresa era reduzir o endividamento e que não havia novos planos de investimentos.

Especialista em siderurgia, o professor da Universidade Federal de Uberlândia Germano Mendes de Paula concorda. "Estamos acabando um ciclo de investimento em 'mix' de produtos, que foi de 1994 a 2004, e agora vamos entrar num ciclo de investimentos de maior escala no aumento da capacidade instalada."

Entre 1998 e 2004, foram inauguradas 15 novas laminações no país e apenas um novo alto-forno, o da CST. A própria Usiminas investiu em laminação a frio e galvanização. "O gargalo é o alto-forno", disse o professor. "E não é algo particular da Usiminas. Todas as outras estão nesta situação." Em muitos casos, investimentos em novos alto-fornos implicam em projetos de expansão também da aciaria e dos laminadores.

No encontro com os distribuidores, o presidente da Usiminas não quis entrar em detalhes sobre os planos para o quarto alto-forno. Sobre a coqueria, no entanto, ele revelou mais informações. As cotações para a compra do equipamento já foram iniciadas. A idéia é, numa primeira fase, produzir 550 mil toneladas de coque por ano. Em uma segunda fase, a capacidade poderá dobrar, chegando a 1,1 milhão de toneladas. A previsão é de que a coqueria entre em funcionamento até o início de 2008.

Na semana passada, Soares afirmou que as vendas em 2004 deverão superar as previsões do Instituto Brasileiro de Siderurgia, chegando a 10% de crescimento no segmento de aços planos. De acordo com ele, o aumento das vendas no mercado interno é consequência do bom desempenho das indústrias exportadoras, como a automobilística, naval e eletroeletrônica.

Valor Online

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a empresas:

O que é espionagem industrial

A espionagem industrial é uma tentativa de obter acesso a informações sobre planos da empresa, produtos, clientes ou segredos comerciais. Na maioria dos casos, tal conduta, especialmente quando se trata ...
Minério de ferro e ouro impulsionarão lucro da Vale

O avanço no preço do minério de ferro, que cresceu aproximadamente 23% até março, na comparação com o quarto trimestre de 2012, e o acordo ...
Kia Motors faz recall no Brasil

No dia 1º de maio, tem início o recall dos carros modelos Soul, Carens, Carnival e Sorrento (anos 2007 e 2008) e Sorento (2009 a 2011), da montadora Kia ...
Agrale apresenta caminhões na Agrishow 2013

A Agrale apresenta na Agrishow 2013 dois modelos da sua linha de caminhões, o Agrale 8700 e o 14000. A feira acontece entre os dias 29 de abril e ...
Klüber Lubrication investe na gestão do conhecimento

A subsidiária da América Latina da Klüber Lubrication, especializada em soluções com lubrificantes especiais, definiu a gestão do conhecimento como um dos principais pontos da ...
Fiat ultrapassa 5 milhões de carros flex feitos no Brasil

A Fiat ultrapassou nesta semana a marca de 5 milhões de automóveis e comerciais leves produzidos com a tecnologia Flex Fuel. Atualmente, 99% dos veículos produzidos para ...
Bener Presses lança máquina de corte laser por fibra ótica

Na Feimafe 2013, o Grupo Bener apresentará a máquina de corte laser por fibra óptica modelo BLS-F 3015/2000, da Baykal, fabricante turca representada exclusivamente desde 2011 no Brasil ...

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google