Brasil terá primeira fábrica da Falmec fora da ItáliaA Falmec, fabricante italiana de coifas, fornos e fogões de luxo, vai ampliar sua linha de produtos no Brasil com a inauguração de sua primeira fábrica fora da Itália. A unidade, que entrará em operação no mês que vem, em Bangu (RJ), contará com investimentos de R$ 10 milhões e gerará 90 empregos diretos. O Brasil responde atualmente por 7% das vendas da companhia, que em 2003 chegaram a 70 milhões de euros. A expectativa do presidente da Falmec no Brasil, Peri Olhovetchi, é triplicar a participação do país na receita total da empresa, nos próximos dois anos.

A nova unidade, que terá 7.500 m² de área construída, com capacidade de produção de até oito mil coifas por ano e será utilizada para abastecer os mercados brasileiro e sul-americano. No Brasil desde 1998, a Falmec basicamente importava os seus produtos da Itália. A idéia, adiantou Olhovetchi é atingir a auto-suficiência já no próximo ano. Para isso, os técnicos da empresa estão trabalhando no lançamento de duas novas linhas de coifas estritamente nacionais.

Os produtos, '100% brasileiros', conta Olhovetchi, custarão até 25% menos do que os similares europeus e irão variar de R$ 1.100 a R$ 1.500. 'O consumidor brasileiro é diferente. Nossa cozinha tem muita fritura e o país tem oito mil quilômetros de costa. Para isso estamos desenvolvendo um produto com um bom poder de sucção e resistente a maresia', explicou Olhovetchi.

A empresa também está trabalhando para tentar formar em Bangu um pólo logístico com o objetivo de levar para a região indústrias satélites que fabriquem e forneçam matéria-prima para a sua linha de produção.

Pelos estudos da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico e da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio (Codin), o pólo teria capacidade para abrigar 50 empresas do setor. O investimento na instalação dessas indústrias, pelos cálculos de Olhovetchi, poderia chegar a US$ 100 milhões, com a criação de 10 mil empregos diretos.

'Queremos formar uma base sólida para atender a América Latina e beneficiar o desenvolvimento do Estado do Rio', disse o executivo. Segundo ele, as vantagens de Bangu, em relação a outros bairros, são a proximidade com os portos do Rio e de Sepetiba e o potencial de capacitação de mão-de-obra, já que Bangu tem 2,5 milhões de habitantes.

Para atender a demanda do mercado doméstico, a empresa fechou contrato com a Acesita, que integra o grupo Arcelor, controlador da Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), para o fornecimento do aço inox, e com a White Martins, que será responsável pelo corte a laser do metal.

A empresa de Treviso, que também equipa as cobiçadas cozinhas da Florense, também tem trabalhado na montagem de showrooms no Rio, São Paulo e Rio Grande do Sul e no desenvolvimento de uma rede com mais de 350 representantes no Brasil. Investimentos também foram feitos no treinamento e na qualificação de uma equipe de profissionais de vendas que têm disseminado no país o conceito do uso das coifas e de equipamentos sob medida para cozinhas. 'Enquanto as concorrentes ainda tratam as coifas como supérfluo, a Falmec investe em design e tecnologia. Isso faz toda a diferença', disse Olhovetchi.

Em dezembro de 2003, a empresa inaugurou seu primeiro showroom, com cerca de 350 m², em São Paulo. O próximo showroom será inaugurado, até o próximo ano, na nova fábrica da Falmec, em Bangu.

Autor(es): Valor

facebook      twitter      google+

Comércio Internacional
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Comércio Internacional