A plataforma de produção de óleo e gás Gjoa desenvolvida pela Statoil começou sua produção no último dia 07 de novembro, abrindo o caminho para uma maior atividade de exploração offshore na parte norte no Mar do Norte norueguês. "Prevemos que essas instalações possam fazer nesta plataforma um hub para a evolução nesta área", diz Oystein Michelsen, vice-presidente executivo de Exploração e Produção da Noruega. O satélite de gás Vega também deve entrar em operação num futuro próximo. Operado pela Statoil, foi desenvolvido com instalações submarinas ancoradas em Gjoa.

"Temos estimativas de que o petróleo e o gás estão na plataforma de Gjoa terão vida útil de exploração e produção de, pelo menos, 15 anos", diz Michelsen. "No entanto, temos visto que os avanços da tecnologia e o fator de recuperação apresentam constantes melhoras. 
A plataforma Gjoa foi a conclusão de um trabalho extenso desenvolvimento pela Statoil, observa o diretor do projeto Kjetil Digre. "Quase 20 milhões de horas de trabalho foram empregados neste projeto. Agora estou muito satisfeito que a produção está em andamento". O projeto foi implementado em consonância com esse slogan, diz Digre: "Temos tido bons cuidados devido à nossa experiência histórica baseada em acontecimentos anteriores. "Ao mesmo tempo, criatividade e prevenção têm sido fatores importantes para as decisões mais complexas que tivemos que tomar ao longo do caminho”, conclui Digre.

Energia

Gjoa é a primeira plataforma de produção do mundo a receber energia proveniente da terra. A eletricidade é transmitida através de um cabo de 100 Km de Mongstad, ao norte de Bergen. Isso reduz as emissões de carbono no campo para cerca de 210 mil toneladas por ano. O projeto demonstrou que a indústria norueguesa é competitiva, com empresas como responsáveis por 70% do projeto. Os trabalhos na fabricação da plataforma e de sua infra-estrutura associada começaram em 2007. Custando cerca de NOK 40 bilhões, o projeto em Gjoa foi concluído dentro do prazo previsto no cronograma. "Este é um investimento rentável, tanto para os licenciados quanto para a Noruega", enfatiza Digre.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás