Você sabe como escolher o lubrificante hidráulico correto? Para a maioria das máquinas lubrificadas, há uma abundância de opções quando se trata de seleção de lubrificantes hidráulicos. Com o sistema hidráulico, há duas considerações preliminares - o grau de viscosidade e o tipo de óleo hidráulico. Estas especificações são normalmente determinadas pelo tipo de bomba hidráulica utilizada no sistema, temperatura e pressão de operação do sistema. Mas não pára por aí. Outros itens a serem levados em conta são: propriedades do tipo de óleo de base, a qualidade do lubrificante e o seu desempenho de modo geral. Alguns requisitos de um sistema para esses itens podem variar drasticamente com base no ambiente operacional, no tipo de máquina para a qual o fluido lubrificante é utilizado e muitas outras variáveis.

Bombas hidráulicas e os requisitos de viscosidade

Palhetas: A concepção de uma bomba de palhetas é exatamente o que seu nome representa. Dentro da bomba, existem rotores com slots montados em um eixo que gira excentricamente em um anel excêntrico. Como os rotores e hélices giram dentro do anel, as palhetas ficam desgastadas devido ao contato interno entre as duas superfícies em contato. Por esta razão, estas bombas são tipicamente mais caras em relação à manutenção, mas são muito eficazes em manter o fluxo constante. As bombas de palhetas normalmente requerem uma faixa de viscosidade de 14-160 centistokes (cSt) em temperaturas de operação.

Pistão: As bombas de pistões são mais duráveis do que o projeto e a operação de uma bomba de palhetas. Eles podem produzir pressões de operação muito maiores - de até 6.000 psi. A faixa de viscosidade típica para as bombas de pistão é de 10-160 cSt.

Engrenagens: As bombas de engrenagens são as mais ineficientes dentro os três tipos de bombas. As bombas de engrenagens operam através da pressurização do fluido entre o volume de ar aprisionado por um conjunto de dentes de engrenagens e a parede interior da caixa de velocidades, ocorrendo, em seguida, a expulsão do líquido. Os dois principais tipos de bombas de engrenagens são internos e externos.

Os modelos de bombas de engrenagem interna oferecem uma ampla gama de taxas de viscosidade, a maior delas pode chegar até 2.200 cSt. Este tipo de bomba oferece um bom desempenho e operação silenciosa, e pode produzir pressões de 3.000 a 3.500 psi.

Já as bombas de engrenagem externa são menos eficientes, mas têm algumas vantagens. Eles oferecem facilidade de manutenção, fluxo constante, e são menos caras na reparação. Tal como acontece com a bomba de engrenagem interna, estas bombas podem produzir pressões que variam de 3.000 a 3.500 psi, mas a sua faixa de viscosidade é limitada a 300 cSt.

Função dos fluidos lubrificantes

O fluido hidráulico tem muitas funções para o bom funcionamento de um sistema bem equilibrado. Essas funções variam desdes um meio de transferência de calor, modo de transferência de energia e forma de lubrificação. A composição química do fluido hidráulico pode assumir muitas formas, quando selecionando para aplicações específicas. Ela pode variar de síntese completa (para lidar com variações drásticas de temperatura e pressão e diminuir a taxa de oxidação) para fluidos à base de água utilizados em aplicações onde há um risco de incêndio.

Um fluido sintético completo é uma cadeia de moléculas que são precisamente arranjadas para fornecer estabilidade excelente à lubricidade e outras características que melhoram o desempenho do tipo de lubrificante hidráulico. Estes fluidos são ótimas opções onde as temperaturas altas ou baixas estão presentes e / ou altas pressões são obrigatórias. Existem algumas desvantagens para estes fluidos, tais como: alto custo, toxicidade e potencial incompatibilidade com certos materiais de vedação.

Os fluidos lubrificantes à base de água são menos comuns. Estes fluidos são normalmente necessários quando existe uma elevada probabilidade de incêndio. Por iss, são mais caros do que o óleo lubrificante convencional, mas menos caros que os sintéticos.

Seleção do lubrificane baseado em sua aplicação em hidráulica

A aplicação deve ser o atributo mais crítico ao selecionar um fluido hidráulico, a fim de assegurar a capacidade do sistema de funcionar corretamente e alcançar vida longa. Ao selecionar um fluido hidráulico, é um fator bastante crítico determinar as necessidades do sistema: viscosidade, aditivos, operação, etc.

Quanto ao grau de viscosidade do fluido lubrificante está em causa, este deve ser determinado pelo tipo da bomba, como discutido anteriormente. Não havendo o nível de viscosidade correta para a aplicação, isso irá reduzir drasticamente a média de vida útil da bomba e do sistema, reduzindo, assim, diretamente sua confiabilidade e disponibilidade deprodução. Ao selecionar o grau de viscosidade adequado, o ideal é buscar a menor viscosidade exigida pela bomba. Isto pode ser determinado através da coleta de dados da bomba, coleta de temperatura real de operação da bomba, e registros das propriedades lubrificantes referenciadas pelas normas de classificação ISO, que variam de 40 a 100 graus Celsius.

É importante verificar a temperatura de funcionamento da bomba e ver se ela se enquadra entre os níveis aceitáveis de temperatura do lubrificante em questão. Caso as taxas de temperatura não sejam compatíveis, talvez seja necessário aumentar ou diminuir a viscosidade do lubrificante com o intuito de atingir os resultados desejados e a viscosidade ideal.

Como é possível observar, a seleção do fluido hidráulico adequado para a aplicação não é uma tarefa difícil, mas requer tempo de investigação a cerca das necessidades de sistemas e equipamentos hidráulicos, determinar o custo resultante e decidir qual o tipo de fluido é o melhor.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Manutenção
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Manutenção