Por intermédio da subsidiária OGX Maranhão, as companhias pertencentes ao Grupo EBX, OGX e MPX, empresas de óleo e gás e de energia, respectivamente, anunciaram ontem (17/11), terem detectado a existência de indícios de gás em um segundo poço na bacia terrestre do Parnaíba. Cabe lembrar que as empresas pertencem ao empresário Eike Batista. A identificação do gás ocorreu no poço 1-OGX-22-MA, localizado no bloco onshore PN-T-68, no Estado do Maranhão.

A OGX Maranhão determinou a realização de um teste de formação logo após realizar a perfuração dos 10 primeiros metros da seção devoniana superior, onde foram apontados indícios de gás, a cerca de 1.520 metros de profundidade. O poço foi aberto para fluxo alcançando 1.950 psi de pressão com uma chama de quase 20 metros. Em seguida à conclusão do teste, a perfuração do poço OGX-22, prospecto denominado Fazenda São José, prosseguirá até a profundidade total prevista de 3.200 metros em buscas de novos objetivos exploratórios.

Segundo o Diretor Geral da OGX, Paulo Mendonça, “A perfuração do segundo poço também descobridor, realizada em uma nova estrutura pioneira e independente, a 12,5km de distância do 1-OGX-16-MA (Califórnia), confirma a presença de uma província petrolífera na região e ressalta o potencial dos nossos blocos”, destacou Paulo Mendonça.

O Complexo de Geração Térmica do Parnaíba aproveitará o gás natural proveniente da produção nos blocos. Este Complexo é uma parceria estabelecida entre as empresas MPX, com 70%, e a PETRA Energia S.A., com 30%, e já conta com licença prévia para a implantação de usinas a gás natural que, podem atingir uma produção conjunta de 1.863 MW.

A OGX Maranhão é a operadora do bloco, onde detém 70% de participação. A OCX Maranhão é uma sociedade constituída pela OGX S.A., que mantém 66,6% de participação, seguida da MPX Energia S.A., com 33,3%, e, por último, a Petra Energia S.A., que fica com 30% de participação restante. Localizado a aproximadamente 260 km de São Luis, no Maranhão, o poço OGX-22 situa-se no bloco PN-T-68, local em que a sonda QG-1 concedida pela Queiroz Galvão começou, em 23 de outubro de 2010, as atividades de perfuração.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás