Produção da nova usina será de 5 milhões de toneladas de laminados. O grupo industrial alemão ThyssenKrupp (o quinto maior grupo siderúrgico do planeta) e a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) (maior exportador mundial de minério de ferro) vão construir uma nova fábrica de aço no Brasil, que custará cerca € 2 bilhões (o equivalente a US$ 2,4 bilhões. A afirmação é do presidente-executivo da Thyssen, Ekkehard Schulz, em entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, cuja publicação estava prevista para hoje. De acordo com Schulz, a participação majoritária da fábrica pertencerá à Thyssen.

A fábrica vai produzir 5 milhões de laminados de aço por ano e a maioria da produção será destinada à venda para o Nafta (Acordo de Livre Comércio da América do Norte) e para uso de pequenas siderúrgicas da Thyssen. O presidente executivo da divisão de aço da ThyssenKrupp, Ulrich Middelmann, já havia dito na semana passada que a empresa estava considerando construir uma nova fábrica por até US$ 1,5 bilhão na Austrália, Brasil ou Rússia, com o objetivo de lucrar com a crescente aumento da demanda por produtos de aço.

Procurada pela Reuters no Brasil, a Vale informou não ter novidades sobre as conversas com a Thyssen sobre uma nova fábrica no país. A mineradora brasileira já anunciou que participará como acionista minoritária de um pólo siderúrgico no Estado do Maranhão, no valor total de US$ 11,4 bilhões, que consiste na construção de três fábricas, cada uma com capacidade para 4 milhões de toneladas de placas de aço. Já confirmaram participação no projeto a chinesa Baoesteel e a sul-coreana Pohang Steel (Posco). A européia Arcelor, maior siderúrgica do mundo, pode também integrar o projeto, mas sua participação minoritária ainda não foi definida. O BNDES também tem interesse em participar do pólo.

Autor(es): Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas