Fusão cria Mittal, o maior produtor de aço do mundoA fusão entre as holandesas LNM Holdings e a Ispat International e a americana International Steel Group (ISG) dará origem à Mittal Steel, que será o maior grupo siderúrgico do mundo. O novo conglomerado, de acordo com nota divulgada ontem pela LNM Holdings, terá capacidade de produção da ordem de 70 milhões de toneladas anuais, com operações em 14 países e cerca de 165 mil funcionários. A operação deverá ser concluída até o final do primeiro trimestre de 2005.

A européia Arcelor, até então a maior siderúrgica mundial, tem capacidade de produção de 44 milhões de toneladas por ano.

De acordo com cálculos da LNM Holdings, a Mittal Steel fechará 2004 com faturamento mundial pró-forma de US$ 31,5 bilhões e lucro líquido entre US$ 6,8 bilhões e US$ 7 bilhões. As vendas de aço devem totalizar 57 milhões de toneladas - o equivalente a 6% do total mundial, que, de acordo com especialistas, deverá alcançar 950 milhões de toneladas neste ano. No Brasil, as vendas não deverão ultrapassar os 33 milhões de toneladas.

Primeiramente, será formalizada a fusão entre a Ispat International e a LNM Holdings - que têm como principal acionista e dirigente o indiano Lakshmi Mittal. A Ispat vai emitir 525 milhões de novas ações, operação avaliada em US$ 13,3 bilhões pela cotação dos papéis da empresa, na última sexta-feira, pela Bolsa de Nova York (Nyse).

Parte das ações será utilizada para a aquisição da americana International Steel Group. As siderúrgicas européias vão desembolsar, ao todo, US$ 4,5 bilhões pelos ativos do ISG, grupo formado em 2002 pelas concordatárias LTV Steel, Acme Steel, Bethlehem Steel, Weirton Steel e Georgetown. Juntas, têm capacidade de produção de 20 milhões de toneladas e faturamento de US$ 9 bilhões.

A Ispat International possui operações em 6 países (na América do Norte e na Europa) e tem capacidade de produção de cerca de 18 milhões de toneladas anuais. As vendas para este ano estão estimadas em US$ 8,3 bilhões. Já a LNM Holdings possui unidades fabris em oito países (na Europa, Ásia e África). A capacidade produtiva da empresa é de cerca de 32 milhões de toneladas. Seus executivos prevêem faturamento global da ordem de US$ 14,5 bilhões. A família Mittal possui 77% da Ispat International e 100% da LNM Holdings que, de acordo com seus executivos, não possui dívidas. Lakshmi Mittal, de 54 anos, é o quinto homem mais rico da Grã-Bretanha, com uma fortuna acumulada de 3,5 bilhões de libras esterlinas.

A nova siderúrgica terá sede em Roterdã, na Holanda. De acordo com cálculo de especialistas, o valor de compra do International Steel Group (ISG) é de US$ 42 por ação, um ágio de 42% em relação ao preço dos papéis na Bolsa de Nova York (Nyse) na última sexta-feira. Os acionistas da ISG deverão receber US$ 21 por ação em dinheiro além de um determinado volume de ações da Mittal Steel - a quantidade será definida pela média do valor dos papéis nos próximos 20 dias. Além de Nova York, as ações da nova gigante siderúrgica serão listadas na Euronext, de Amsterdã.

O indiano Lakshmi Mittal vai comandar as operações mundiais da Mittal Steel. O atual presidente do International Steel Group (ISG), Wilbur Ross (um dos principais acionistas do grupo), será membro do conselho da nova empresa, enquanto o presidente da siderúrgica norte-americana, Rodney Mott, vai comandar as operações do grupo nos EUA.

Mittal lidera hoje a consolidação de um setor que comemora o preço recorde de seus produtos - que se recuperam dos mais baixos patamares observados nos últimos 20 anos, fato que contribuiu, em 2002, para a falência dos predecessores do International Steel Group. Naquele mesmo ano foi formalizada a criação da Arcelor, que até a semana passada era considerado o maior conglomerado siderúrgico do mundo. A empresa, com sede em Luxemburgo, foi resultado da fusão entre a francesa Usinor, a Arbed, de Luxemburgo, e a espanhola Aceralia Corporación Siderúrgica.

As siderúrgicas estão fazendo alianças globais e efetuando aquisições em todo o mundo para conquistar maior participação de mercado e conseguir atender a uma fatia maior de clientes, como fabricantes de automóveis e de eletroeletrônicos. 'A siderurgia permanece como uma das indústrias mais fragmentadas. Atualmente, os grandes players do setor buscam a consolidação de seus negócios', afirmou Lewis Johnson, um analista da T. Rowe Price, dos EUA.

'A formação da Mittal Steel confirma o cenário traçado por nós; acreditamos que a indústria siderúrgica, nos próximos cinco a dez anos, abrigará cinco ou seis grupos mundiais, com capacidade de produção de 80 milhões a 100 milhões de toneladas por ano', afirmou em nota Guy Dollé, presidente mundial da Arcelor. A empresa fechou o ano passado com vendas de 40 milhões de toneladas e faturamento de € 29,5 bilhões.

Panorama mundial

'A transação vai mudar radicalmente o panorama da siderurgia mundial', afirmou Mittal em uma teleconferência a analistas. 'Estamos criando uma potência'. A combinação entre a LNM e a Ispat será concluída no final do ano; os ativos do ISG serão integrados até março do ano que vem.

De acordo com o Aditya Mittal, diretor da LNM, a fusão vai cortar custos de produção, mas o montante não foi informado. A nova empresa não deverá cortar postos de trabalho nem prevê o fechamento de fábricas. As dívidas da nova empresa serão da ordem de US$ 3,2 bilhões.

Cerca de 40% das atividades da Mittal Steel estarão concentradas na Europa; 30% nas Américas e o restante na Ásia e África.

Autor(es): Infomet

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia