Intoxicação por monóxido de carbono no trabalho industrialA intoxicação por monóxido de carbono no trabalho industrial é muito comum em plantas industriais químicas, mas também é comum ocorrerem acidentes com vazamento de monóxido de carbono em indústrias de demais setores. O monóxido de carbono (CO) é um extremamente perigoso em altas concentrações e, quando se combina o CO com os espaços confinados, há uma alta probabilidade de que o resultado será fatal para os seres humanos que estiverem em contato com esse tipo de gás. O monóxido de carbono é um gás inodoro, tóxico, incolor e que pode provocar doença súbita ou morte por asfixia. O gás CO também é inflamável dentro de determinadas concentrações.

Há muitas referências para o gás CO, que incluem: carvão, gás de óxido de carbono, gases de escape e gases de combustão. O tipo de gás CO é gerado por várias fontes: automóveis e caminhões, barcos, pequenos motores a gasolina, fogões, geradores, aquecedores e muitos processos industriais que envolvem fornos, caldeiras e incineradores. Quando o monóxido de carbono originário de tais fontes é liberado dentro de uma área mal ventilada e delimitada, isto torna-se um perigo potencial para pessoas e animais.

No Brasil, existem as Normas Regulamentadoras, ou NRs, que são leis que regulamentam, determinam e oferecem orientações a cerca de todos os procedimentos obrigatórios dentro do âmbito de segurança do trabalho e medicina do trabalho. A NR 33, por exemplo, prevê regras sobre Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados. É com base nessa e em outras normas que os trabalhadores industriais e as empresas devem tomar todas medidas e precauções necessárias para evitar acidentes de trabalho com a exposição ao monóxido de carbono. Só para se ter uma ideia, no nível 200 ppm no ar, o CO forma carboxihemoglobinas no sangue, o que impede a distribuição de oxigênio pelo corpo. Ao nível de 1000 ppm, a exposição ao CO pode ser fatal. Pessoas com doenças pré-existentes, incluindo doenças cardíacas ou pulmonares, são mais suscetíveis aos efeitos do gás tóxico.

Detector de monóxido de carbono portátilO monóxido de carbono é um gás industrial que possui muitas aplicações na fabricação de produtos químicos a granel. Outras fontes de exposição ao CO relacionam-se com os fogões a gás, à decomposição de hidrocarbonetos, à decomposição microbiana em esgotos, silos e tanques de fermentação. Os sintomas comuns de intoxicação por monóxido de carbono envolvem dor de cabeça, náuseas, tontura, fraqueza, vômitos, dor no peito, fraqueza nas pernas e confusão mental. Muitas vezes, os trabalhadores recebem pouca informação sobre esse perigoso tipo de gás, e por isso, somente buscam meios de manter sua proteção, especialmente com uso de equipamentos de segurança, quando já estão percebendo os sintomas de intoxicação pelo monóxido de carbono. Mesmo quando a morte é afastada, o excesso de exposição ao monóxido de carbono pode resultar em danos neurológicos permanentes e outros problemas de saúde.

Na indústria de processamento de aço e outros metais ou nas plantas de acabamento, os trabalhadores devem ter o cuidado de evitar a exposição ao monóxido de carbono. Pois os sistemas de produção de grandes fornos em usinas siderúrgicas são frequentemente alimentados por carvão e oferecem um perigo a mais aos operários. Estas plantas requerem vários pontos sistemas de monitoramento de gás monóxido de carbono, com detectores e medidores dos níveis de gases tóxicos e outros dispositivos de alarme para proteger os trabalhadores. É válido sempre destacar a importância dos uso de EPI’s específicos, a elaboração de planejamentos de segurança do trabalho, bem como a implementação de treinamentos periódicos aos funcionários, principalmente para os mais expostos.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Segurança do Trabalho
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Segurança do Trabalho