Consolidação do setor de siderurgia é irreversível, diz GerdauA compra da americana International Steel Group (ISG) pelo empresário indiano Lakshmi Mittal poderá ser concluída até o fim do primeiro trimestre de 2005, previu Louis Schorsch, presidente da Ispat Inland. ' Ainda precisamos da aprovação dos acionistas e das autoridades ' , disse o executivo. A operação, que contempla ainda a fusão entre a LNM e a Ispat, empresas controladas pela Mittal, reforça a tendência de consolidação no setor siderúrgico mundial.

Schorsch avaliou, durante o Congresso Latino-Americano de Siderurgia (Ilafa), que a operação foi aprovada pelo mercado financeiro, o que ficou demonstrado com a alta das ações da Ispat após o anúncio do negócio, na semana passada. A consolidação da ISG com as empresas da família Mittal exigirá um esforço de um ou dois anos e representa a nova realidade da indústria siderúrgica. Nesse novo cenário, é possível imaginar grupos com até 100 milhões de toneladas de capacidade instalada.

A Mittal Steel Company, resultante da operação, vai produzir cerca de 60 milhões de toneladas de aço por ano, superando a líder Arcelor, com 40 milhões. De janeiro a setembro deste ano, a ISG, a LNM e a Ispat apresentaram lucro operacional conjunto de US$ 4,2 bilhões. Do total, 76% corresponderam à LNM, 16% à Ispat e 8% à ISG, disse Schorsch.

O consultor americano Peter Marcus, da World Steel Dynamics (WSD), foi irônico ao comentar a operação: ' Dollé não é mais o rei do mundo ' , disse, referindo-se a Guy Dollé, presidente da Arcelor. Um relatório da WSD divulgado na semana passada, no qual Marcus indica quem serão os consolidadores e os consolidados da indústria siderúrgica mundial, foi criticado por executivos do setor, que consideraram as informações como ' chute ' e ' especulação ' . O relatório mostra a Usiminas/Cosipa como alvo da Mittal e coloca a Gerdau entre os grupos consolidadores no futuro.

Jorge Gerdau Johannpeter, presidente do grupo Gerdau, avaliou que o movimento de consolidação é irreversível. Ele ponderou que as empresas brasileiras têm de encontrar caminhos de capitalização ou se juntarem para serem competitivas financeiramente via mercado de capitais ou financiamento a custos mais baixos.

Ontem, a Gerdau Ameristeel, subsidiária do grupo Gerdau nos EUA, confirmou a compra dos ativos da North Star, que pertenciam à Cargill. A Gerdau Ameristeel pagou US$ 266 milhões pelos ativos e assumiu US$ 12 milhões em dívidas e compromissos com benefícios dos empregados. A empresa deverá pagar um valor adicional de cerca de US$ 30 milhões, nos próximos 60 dias, como um ajuste do preço de aquisição em função das flutuações no capital de giro em relação à data da conclusão da operação, em agosto.

Jorge Gerdau confirmou ainda que nos próximos três anos o grupo irá investir US$ 1,9 bilhão no Brasil para ampliar em 3,3 milhões de toneladas a sua capacidade instalada de aço bruto. Ele também confirmou que existem estudos para ampliar a Sipar, empresa ligada ao grupo na Argentina.

Dollé, da Arcelor, disse que uma das estratégias do grupo passa pelo crescimento orientado via todo tipo de alianças, aquisições e fusões. ' Em cinco ou dez anos, seremos um dos consolidadores da indústria, período no qual haverá cinco ou seis grupos de escala mundial ', previu.

Autor(es): Valor

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas