Corrosão intergranular em aços inoxidáveisA corrosão intergranular em aços inoxidáveis é uma forma relativamente rápida de corrosão localizada, associada com uma microestrutura com defeito conhecido como precipitação de carbonetos. No caso dos aços austeníticos que foram expostos a temperaturas entre 425-850 ° C por um período de tempo, ou quando o aço foi aquecido a temperaturas mais elevadas e foi resfriado posteriormente em um ritmo relativamente lento (como ocorre depois do processo de solda ou de arrefecimento de ar após o recozimento), o cromo e o carbono do aço se combinam para formar partículas de carboneto de cromo ao longo das fronteiras de grãos em todo o aço. A formação destas partículas de carboneto nos contornos de grãos cria uma zona de cromo enfraquecida, permitindo que o aço se corroa preferencialmente ao longo das fronteiras de grão. Nesta condição, diz-se que o aço está "sensibilizado".

Note-se que a precipitação do carboneto depende da temperatura do teor de carbono e do tempo de exposição a esta faixa de temperatura. A faixa de temperatura mais crítica é em torno de 700 ° C, na qual os aços de carbono a 0,06% irão precipitar carbonetos em dois minutos, enquanto que os aços carbono a 0,02% são efetivamente imunes a este problema.

É possível recuperar o aço, que sofre de precipitação de carbonetos por aquecimento acima de 1000 ° C, seguido de resfriamento em água para reter o carbono e o cromo em solução e, assim, evitar a formação de carbonetos. A maioria das estruturas que é soldada ou aquecida não pode receber esse tratamento térmico. Portanto, alguns tipos especiais de aço foram concebidos para evitar este problema. Estes são os graus estabilizados 321 (estabilizado com titânio) e 347 (estabilizado com nióbio).

Outro método utilizado para superar a corrosão intergranular no metal é usar o teor extra baixo de carbono, como Grades 316L e 304L; estes possuem níveis de carbono extremamente baixos (geralmente inferiores a 0,03%) e, portanto, se mostram muito mais resistentes à precipitação do carboneto.

Muitos ambientes não causam corrosão intergranular em aços inoxidáveis austeníticos sensibilizados. Um exemplo disso são produtos como o ácido acético glacial na temperatura ambiente, solução de sais alcalinos, tais como água, sódio carbonato potável e mais massas de água doce, que não afetam o aço inox. Para tais ambientes, não seria necessário se preocupar com a sensibilização. Também não há esse problema em relação aos aços leves, uma vez que geralmente se esfriam muito rapidamente após a soldagem ou a exposição a altas temperaturas.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Metal Mecânica
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Metal Mecânica