Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Dólar mais alto favorece a competitividade

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Dólar mais alto favorece a competitividadeCrescimento em torno de 3% na economia brasileira, aliado a um controle da inflação e à queda na taxa de juros. Esta é a expectativa de Antônio Corrêa de Lacerda, diretor da área de economia da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica) para o ano de 2004.

Doutor em Economia pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), professor da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e presidente da Sobeet (Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica), Lacerda explica inclusive que a cotação do dólar tende a ser mais alta nos próximos meses, o que favorece a competitividade das empresas nessa era globalizada.

Para explicar conceitos como esse e as discussões fundamentais da área macroeconômica, ele lança em novembro o livro Globalização e Investimento Estrangeiro no Brasil. Nele, o autor mostra diversos dados e exemplos, retratando a realidade brasileira, tendo como base os recentes censos de capitais estrangeiros realizados no Brasil. Lacerda também analisa a política da reestruturação produtiva da economia brasileira, com destaque para a abertura da economia e a implantação do Plano Real nos anos 90, bem como o papel da privatização nesse processo, culminando com a discussão sobre os elementos para um novo modelo de inserção externa da economia brasileira.

“Lacerda demonstra de forma lúcida como a economia brasileira foi enredada na armadilha da vulnerabilidade externa. Ao compreender os fatores determinantes das decisões de investimento, especialização e comercialização das empresas estrangeiras e de suas subsidiárias operando no Brasil, o trabalho do autor sugere pistas muito úteis para os desafios com que se defronta a política econômica brasileira”, afirma Luciano Coutinho, Ph.D em Economia pela Universidade de Cornell e professor titular da Unicamp. Leia a seguir a entrevista concedida ao site Manutenção & Suprimentos.

Manutenção & Suprimentos - Quais são os efeitos da globalização?

Antônio Corrêa de Lacerda – A globalização traz muitas oportunidades a um país, principalmente em relação às exportações e ao ingresso de novas empresas com investimentos estrangeiros. Se não houver globalização, não haverá competitividade. O risco que ela pode gerar é a perda de controle de autonomia do país, porque vários patrimônios se transferem para o exterior. É de fundamental importância no cenário econômico atual compreender o papel dos investimentos diretos estrangeiros e da globalização na economia brasileira, sobretudo pela inserção externa do País e pela expressão sem precedentes na história do capitalismo mundial dos ativos financeiros, do câmbio e da vulnerabilidade externa.

M&S – Que mudanças as empresas precisam fazer para serem globalizadas?

Lacerda - A questão fundamental é que cada empresa precisa adquirir condições de competitividade de forma global, investindo sempre em inovação e em treinamento para permanecer em seu mercado de atuação.

M&S – É correta a expressão “ser global, mas atuar localmente”?

Lacerda – Sim, é correta a expressão. É preciso atuar dessa maneira, agindo localmente. Precisamos ter uma forte base para atuar localmente de forma expressiva no mercado.

M&S - Como as empresas brasileiras estão em relação à globalização?

Lacerda – De forma geral, as empresas estão reagindo bem porque o processo de globalização já vem acontecendo há cerca de uma década. Mas o alto nível dos juros e a carência de financiamento existentes no Brasil são fatores que tiram a competitividade das organizações.

M&S - Que balanço o senhor faz da economia brasileira desde a “Era do Real”?

Lacerda - Acho que houve um ganho expressivo desde então. Tivemos a queda da inflação, e o desafio foi ampliar a competitividade entre as empresas e também aumentar as exportações.

M&S - Até o momento, quais as diferenças percebidas entre o governo de Fernando Henrique Cardoso e o de Luiz Inácio Lula da Silva?

Lacerda - Vejo que em alguns aspectos são atuações bem diferentes, como no caso da política externa. No governo Lula, a diferença é com relação ao pragmatismo, onde se encara a chance de desafio sem ideologias. Mas ainda é cedo para fazermos comparações, principalmente porque não podemos comparar 8 anos de governo FHC com cerca de 10 meses de atuação do governo Lula. Trata-se de uma análise preliminar, mas que aponta essa diferença.

M&S – De acordo com a Anne Krueger, do FMI (Fundo Monetário Internacional), há uma tendência de alta do dólar, que pode ficar acima de R$ 3,00. É um valor sustentável para o Brasil?

Lacerda – Sim, o dólar acima de R$ 3,00 é considerado uma boa cotação. O valor praticado no momento, abaixo de R$ 3,00, é insustentável porque o Real está valorizado. O valor que eu considero bom para o Brasil é de um dólar sendo cotado a R$ 3,10 ou R$ 3,20. O dólar mais alto atrai mais investidores e, conseqüentemente, traz mais competitividade ao Brasil.

M&S - Qual é o cenário econômico que o senhor espera para 2004?

Lacerda - Acredito que a economia brasileira irá crescer no ano de 2004 mais do que cresceu neste ano de 2003. A expectativa que tenho é de um crescimento em torno de 3% para o próximo ano, com uma inflação controlada e com uma taxa de juros em queda, o que deve melhorar o nível de renda da população e aumentar o número de postos de trabalho.

Andréa Malta

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google