Empresa nasce com faturamento de US$ 620 milhões e ativos de R$ 1,6 bilhão no País. A Novelis do Brasil, subsidiária da Novelis, maior fabricante mundial de laminados de alumínio (chapas, folhas, discos e lâminas), vai investir US$ 26 milhões neste ano para o aumento da sua capacidade de produção, em tecnologia e melhoria de processos, informou o presidente da empresa, Tadeu Nardocci, ex-presidente de produtos laminados da Alcan do Brasil e que também será o presidente da Novelis na América do Sul.

Em todo o mundo, a Novelis vai desembolsar US$ 190 milhões. A empresa iniciou as suas operações ontem e é resultado de um processo de reestruturação mundial no qual está passando a canadense Alcan, com o desmembramento estratégico dos negócios de laminados de alumínio. Essas mudanças foram necessárias após a compra da francesa Pechiney, por € 3,98 bilhões, em fevereiro de 2004. A Novelis teve uma receita mundial pro-forma de US$ 6,2 bilhões em 2003, suas ações serão negociadas nas Bolsas de Valores de Nova York (a partir do dia 18) e Toronto (desde hoje), sua matriz fica no Canadá e o principal escritório executivo em Atlanta, nos EUA.

O faturamento pro-forma previsto no Brasil em 2004 é de US$ 620 milhões, o montante dos seus ativos no País soma R$ 1,6 bilhão e a empresa possui 2,1 mil funcionários. A Novelis representava 90% do faturamento da Alcan do Brasil, que foi de R$ 1,8 bilhão em 2003. Esse montante não inclui a Pechiney do Brasil, comprada em 2004 e que por sua vez controlava a TPI Molplastic e a Cebal Brasil.

O aporte no País será para aumentar a capacidade de produção da unidades de chapa, em Pindamonhangaba (SP), de 295 mil toneladas para 305 mil toneladas por ano, e de folhas, em Santo André (SP), de 22 mil para 24 mil toneladas anuais. Segundo Nardocci, o aporte em Santo André vai permitir que a empresa conquiste novos mercados, através da alargamento do laminador, o que vai permitir a produção de folhas mais largas.

Com isso, a empresa poderá fabricar a folha de alumínio utilizada nas embalagens da Tetra Pak. A Novelis também vai investir para transformar a fábrica de Aratu (BA) em um centro de excelência na produção de placas de alumínio. 'Vamos investir no centro de fundição de placas, a fim de torná-lo tão competitivo em qualidade e produtividade como o de Pindamonhangaba, que é um centro de excelência em fundição', disse Nardocci. A fábrica de alumínio primário, localizada em Ouro Preto (MG), também vai receber investimento na área de fundição. 'Essa era a fábrica mais antiga da Alcan no Brasil, com 54 anos, então temos que investir continuamente em manutenção operacional', disse.

Nos próximos anos, Nardocci projeta investimentos semelhantes aos US$ 26 milhões deste ano. 'Trabalhamos em uma indústria de capital intensivo, que demanda sempre muito dinheiro. Temos que investir todo ano, no mínimo, entre US$ 20 milhões e US$ 25 milhões para não perdemos nossa liderança', disse.

A Novelis nasce como a maior fabricante de produtos laminados de alumínio do Brasil, com 50% de participação de mercado em volume, segundo Nardocci. 'Vamos manter e aumentar essa liderança, incrementando volumes sempre que o mercado brasileiro crescer', disse. Segundo Nardocci, o mercado que a empresa mais acredita em crescimento no Brasil 'é o de consumo de massa'. 'O Brasil tem um grande potencial para o aumento do mercado de latas para bebidas e de embalagem (leite, suco, remédio, etc)', disse.

Em todo o mundo, a empresa possui cerca de 18% de market share. Em 2003, vendeu 2,5 milhões de toneladas de laminados. A Novelis possui 37 fábricas em 12 países e 14 mil funcionários. No Brasil, as vendas alcançaram 290 mil toneladas e as exportações 75 mil toneladas em 2004. Para 2005, com o aumento da capacidade de produção, a projeção é vender cerca de 305 mil toneladas. Já as exportações deverão somar cerca de US$ 200 milhões neste ano. Os principais mercados são a América do Sul, Panamá, México, EUA, Coréia e Oriente Médio. Em 2004, somaram US$ 180 milhões.

'O foco é o mercado brasileiro, que cresceu no segundo semestre. Se continuar crescendo, podemos até redirecionar parte das exportações para o mercado local', disse Nardocci. Segundo ele, o foco da Novelis para oportunidades de crescimento nas vendas e através de aquisições e novas instalações são a América do Sul, Ásia e Leste Europeu. 'São mercados ainda que não estão maturados na utilização de alumínio', disse. Essa reestruturação, somada à venda de alguns ativos faz parte da estratégia da Alcan em se concentrar nos negócios de alumina, bauxita e alguns mercado de alto crescimento, como embalagem (vidro, plástico, papel, papelão e multicamadas) e produtos de engenharia.

A Alcan do Brasil segue com uma fábrica de revestimento, em Camaçari (BA) e unidades de embalagens em Mauá, Diadema, São Paulo e Mogi (SP), além de participação acionária na Mineração Rio do Norte (12%) e Alumar (10%). No Brasil, além das quatro fábricas, a Novelis possui um centro de reciclagem, em Pindamonhangaba, e nove usinas hidrelétricas, com capacidade para 117 MW, localizadas Minas Gerais, além de 50% da usina de Candonga (MG), em parceria com a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e participação na Petrocoque, em Cubatão (SP). A Novelis conta com 30% de auto geração de energia e e investiu US$ 76 milhões nessa área nos últimos três anos.

Autor(es): Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia