Como funciona um forno de coqueUm forno de coque é um equipamento usado para a produção de coque, que é derivado do carvão. A mistura e o aquecimento do carvão betuminoso em temperaturas que variam de 1.000 a 2.000 graus Celsius dentro do forno de coque produzem o subproduto de coque. Por isso, forno de coque é uma parte crucial do processo de produção de coque.

O coque é um resíduo sólido de material carbonáceo queimado. Ele também contém uma pequena quantidade de cinzas e enxofre. O coque pode ser usado como combustível ou como um agente redutor nos altos-fornos usados para a fundição do minério de ferro. É geralmente considerado um dos três materiais fundamentais para a produção de ferro, que é então usado para fazer aço, geralmente em combinação com calcário e minério de ferro. Os gases do forno de coque podem também ser empregados como combustível.

A maioria dos fornos de coque de carvão produz carvão por aquecimento em condições controladas. Como a ausência de oxigênio é importante para produzir o coque de melhor qualidade, os tipos de fornos de coque são concebidos como fornos sem ar, ou fornos a vácuo.

forno de coqueNo processo de produção de coque, o carvão tratado é colocado no forno de coque. Devido à alta temperatura dentro do forno de coque, gás, água e alcatrão são separados do carvão. O gás do carvão e água do carvão, em seguida, se fundem com o carbono e os restos de cinzas. O resíduo rígido que permanece no final deste processo é comumente referido como coque.

A seleção do carvão utilizado para o processo de fabricação de coque é muitas vezes uma parte importante do processo. O carvão pode ser selecionado de acordo com fatores como cinzas e teor de enxofre, alcatrão, plasticidade e volatilidade. A volatilidade do carvão é fator importante, pois permitirá uma maior quantidade e maior qualidade do coque a ser produzido. Isso ocorre porque quanto mais volátil for o carvão, mais subprodutos mais ela renderá. No entanto, a volatilidade excessiva do carvão pode ser uma negativa, já que os subprodutos tornam-se demasiadamente porosos para fazer coque de qualidade.

As emissões dos fornos de coque têm sido analisadas e estudadas por serem perigosas para os seres humanos, elevando a incidência de doenças cancerígenas. Estes estudos têm mostrado uma correlação entre a exposição dos trabalhadores aos fornos de coque e ocorrências de tipos de câncer, como câncer de pulmão e intestinal. Testes feitos na pele de animais, como ratos, também têm demonstrado que a exposição aos fornos de coque é capaz de produzir tumores malignos.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Máquinas & Equipamentos
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Máquinas & Equipamentos