A existência de diferentes níveis de competitividade entre os setores que compõem a estrutura industrial brasileira deverá nortear as negociações comerciais que o Brasil terá de enfrentar para concretizar a Área de Livre Comércio das Américas (Alca), bem como o acordo com o Mercosul e a União Européia. A existência desses altos e baixos é uma das conclusões preliminares do estudo sobre a competitividade na indústria brasileira encomendado pelo Ministério do Desenvolvimento ao Instituto de Economia da Universidade de Campinas (Unicamp). De acordo com a pesquisa, os setores cafeeiro, cítrico, siderúrgico, calçadista e de papel e celulose estão entre os mais competitivos. Já os segmentos de bens de capital, petroquímico e de plástico, necessitam de reestruturação, modernização e aumento de competitividade.

Autor(es): Revista Manutenção & Suprimentos

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia