começa a era de ouro do gás naturalUm relatório recente publicado pela International Energy Agency (IEA), intitulado "Será que estamos entrando em uma era de ouro do gás natural?", desencadeou uma série de discussões em todo o mundo sobre o futuro do gás natural. Muitos especialistas do mercado de energia expressaram suas opiniões e pensamentos sobre o documento.

O relatório da IEA diz que a descoberta de novos reservatórios de gás natural na América do Sul, Oriente Médio e Ásia Central, a oferta de recursos não convencionais, tais como gás de xisto, e o aumento imprevisível na demanda, são os principais fatores que farão o sucesso do gás natural.

De acordo com o IEA, o consumo mundial aumentará em mais de 50% nos próximos 25 anos, sendo responsável por um quarto da oferta mundial de energia até 2035. Também benéfico quando se trata de baixas emissões de CO2 (quando o gás natural é queimado), o relatório sugere ainda que ele poderia ser uma solução rápida para o aquecimento global e o meio ambiente.

É aí que as opiniões começam a divergir. Apesar de ter as mais baixas emissões de CO2 entre todos os combustíveis fósseis, o gás natural ainda emite CO2 quando queimado e uma forte dependência do gás pode resultar no aumento das temperaturas em 3,5 º C nos próximos 50 anos, causando conseqüências desastrosas. Este problema poderia ser facilmente resolvido com a instalação de equipamentos de captura e armazenamento sobre essas usinas, o que, por sua vez, elevaria os preços da energia, de modo que o gás não seria uma opção tão viável no final das contas.

Mas é muito cedo para qualquer conclusão. Outros estudos como este da IEA são necessários para avaliar os custos operacionais da captura de carbono e equipamentos de armazenamento.

A maior aposta da IEA para a tal era de ouro do gás é, sem dúvida, o gás de xisto. Independentemente do que muitas pessoas pensam, gás de xisto não é um tipo recém-descoberto de gás, foi extraído pela primeira vez em 1821, mas a produção foi ofuscada por maiores reservas de gás natural e menor custo de extração.

começa a era de ouro do gás naturalAgora que as reservas mundiais de energia estão em declínio, o gás de xisto está se tornando uma opção viável, especialmente na América, onde a produção triplicou nos últimos cinco anos. Estima-se que o gás natural será responsável por 40% de toda a energia, graças a uma oferta abundante de gás de xisto.

Outro ponto a favor do gás é o anúncio feito pela Alemanha de que o país vai eliminar gradualmente todas as suas usinas nucleares até 2022. Os alemães planejam combinar recursos energéticos renováveis e gás natural para compensar. Os planos são de construir seis novas usinas a gás natural de energia, o que vai gerar um total de 5 GW. Isto vai certamente aumentar a demanda global pelo produto.

Tudo parece muito otimista de acordo com o relatório do IEA, mas há outros pontos que precisam ser olhados antes de podermos dizer que o gás entrou na sua era dourada.
Por exemplo, de acordo com o especialista de commodities do Financial Times, Javier Blas, "o mercado de gás natural está entrando em uma era dourada simultaneamente com a demanda global. Mas o sistema de preços de gás natural continua, no momento, em grande parte na idade das trevas. "

Para o especialista, os preços globais de gás por atacado precisam ser independentes do preço do petróleo e adotar de preços semelhantes aos utilizados no Reino Unido, por exemplo.

Ben Fryes, analista da Bloomberg, diz que “a idade de ouro para o gás vai de encontro à capacidade da indústria para resolver este problema, os produtores de gás deve usar a mais moderna tecnologia e inovação para encontrar soluções para os problemas e o gás chegar a seu potencial máximo como combustível. As novas tecnologias podem impulsionar os preços futuros". 

É um pouco cedo para dizer que estamos entrando em uma idade de ouro de gás natural, mas certamente vão acontecer mudanças em um futuro próximo.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás