indústria de cigarros Philip Morris confirmou no último dia 21 de outubro que iria encerrar as atividades na unidade industrial do Uruguai, após uma ação judicial de lei anti-tabagismo existente no país.

"Fatores como a ampla disponibilidade e a presença de produtos ilegais no mercado, combinados com a demanda reduzida e as medidas regulamentares e fiscais que limitam a capacidade de comercializar nossos produtos de forma rentável, fizeram com a operação da usina não seja mais viável", disse a empresa.

Nicolas Echeverria, gerente geral da subsidiária da Philip Morris, Hermanos PMI Abal, disse que o imposto e medidas reguladoras extremas tinham "mudado a dinâmica do mercado". O fechamento da fábrica irá desencadear demissões de 62 trabalhadores.

Os produtos Abal Hermanos agora serão fabricados nas instalações da PMI, na Argentina, disse a empresa, acrescentando que continuaria a vender seus produtos no Uruguai, mantendo 28 funcionários lá.

Em março de 2006, o Uruguai se tornou o primeiro país da América Latina e a quinta nação no mundo a implementar uma proibição de fumar em locais públicos fechados. Também promulgou algumas das leis mais rígidas do mundo do tabaco, exigindo advertências grandes e banindo a propaganda e o uso de múltiplos produtos de uma marca.

A Hermanos Abal, que tinha uma quota de mercado estimada de 21,7% no Uruguai no ano passado, disse que as medidas forçaram-na a retirar sete dos doze tipos de cigarros Marlboro, que representam 40% das vendas.

Autor(es):
Editora

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas