vazamento de petróleoDerramamentos acidentais de petróleo podem surgir a partir de falhas de equipamento ou de erros humanos durante uma série de operações offshore, como, por exemplo, a transferência de diesel de navios de abastecimento, o transbordo de tanques, operações erradas em poços ou mau funcionamento de equipamentos de tratamento de água.

Recentemente, as empresas de petróleo e gás têm se preocupado com o envelhecimento da infra-estrutura, fator que pode aumentar o risco de acidentes.

Tipos de vazamento de petróleo variam desde petróleo bruto até lubrificantes e produtos refinados de petróleo. No entanto, derrames associados a operações offshore raramente ultrapassam uma tonelada em comparação com grandes derrames de óleo em acidentes com petroleiros, o que pode resultar em milhares de toneladas de petróleo derramado no mar.

Potenciais impactos ambientais

O impacto ambiental de um derramamento de petróleo no mar dependerá de uma série de fatores, incluindo a quantidade e a natureza do óleo derramado e do seu comportamento no mar; as condições climáticas e da estação, o tipo e eficácia da resposta de limpeza, o ecossistema da natureza da área e sua sensibilidade à poluição por hidrocarbonetos.

vazamento de petróleoO óleo derramado no mar "quebra" e se dispersa no meio marinho ao longo do tempo. Esta dissipação é o resultado de vários processos de intemperismo, incluindo a evaporação, dispersão, dissolução, emulsificação, sedimentação, afundo e biodegradação.

A experiência do Reino Unido no Mar do Norte mostrou que, devido a esses processos, há muito pouco risco de que o óleo derramado de uma localização offshore alcance e impacte a costa.

Efeitos ambientais que têm sido descritos na literatura (principalmente em acidentes de cisterna) variam de toxicidade aguda causada por hidrocarbonetos de baixo peso molecular até sufocamento devido a óleos mais pesados e produtos que vão para o fundo do mar.

A presença de componentes tóxicos pode provocar efeitos temporários, tais como narcose e manchas na geografia, que geralmente desaparecem com o tempo. Populações de aves marinhas podem ser particularmente vulneráveis, uma vez que tendem a se reunir na superfície do mar.

Exposição ao petróleo pode causar fome, afogamento e a perda de calor corporal como conseqüência da queda das penas.No entanto, não existe evidência de que aves marinhas sofrem efeitos a longo prazo de derramamentos de petróleo offshore [Kingston 2002].

Chave de controle e medidas de mitigação

Por razões de segurança e ambientais, a indústria offshore investe pesadamente para impedir a liberação de hidrocarbonetos. Barreiras físicas, como válvulas de segurança no fundo do poço, manutenção para minimizar vazamentos e procedimentos e treinamento para influenciar fatores humanos reduziram significativamente os derramamentos de operações realizadas nos mares da Europa.

No entanto, se estas barreiras falham e óleo é derramado no mar, as empresas de petróleo irão responder para minimizar o impacto do derramamento. O nível de resposta é predeterminado a partir de avaliações específicas de instalação de risco, que levam em conta o tipo de óleo, a sensibilidade ambiental da localização e o movimento provável do petróleo, determinado pela modelagem computacional.

Dependendo do nível de risco, a resposta começa com a vigilância para monitorar como uma mancha está se comportando, por meio do uso de dispersantes químicos e, em seguida, para a contenção física e recuperação do petróleo.

Em todos os casos em que há uma liberação não autorizada de petróleo para o meio ambiente, seja ou não uma resposta necessária, o operador é obrigado a apresentar um relatório ao órgão regulador do país.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Petróleo & Gás
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Petróleo & Gás