tecnologia pode ajudar EUA e europa a superar criseDurante décadas, os trabalhadores norteamericanos dividiram seu espaço com as máquinas. Como as empresas investiram em tecnologia e inovação, mais trabalhadores eram necessários para operar os as máquinas e equipamentos. Esse relacionamento está agora em risco.

Desde 1999, o investimento em equipamento e software subiu 33% nas empresas americanas, enquanto o número total de pessoas empregadas por empresas privadas não se alterou muito.

A rivalidade entre homem e máquina aumentou ainda mais após a recessão de 2008-09, o que explica porque os Estados Unidos estão lutando contra a taxa de desemprego de 9% que surgiu desde então.

A revolução nas tecnologias de informação está influenciando mais e mais a economia dos EUA e da Europa.

Ao longo da história, as revoluções da tecnologia abriram o caminho para novas formas de emprego: na Grã-Bretanha do século XIX, a revolução industrial tirou o trabalho dos artesãos, mas acabou criando emprego em massa nas fábricas.

Mas uma seca de empregos que já dura uma década nos Estados Unidos está levantando questões sobre se há uma mudança fundamental na estrutura do mercado de trabalho.

"Trabalho e capital estão fora de sincronia", disse Tyler Cowen, economista da George Mason University, em Fairfax, Virginia. "Parece ser uma tendência crescente e que se fortalece... (e) sugere que há essa mudança estrutural de longo prazo."

Com certeza, algumas das lutas do mercado de trabalho dos EUA refletem o deslocamento, em vez de o desaparecimento de postos de trabalho. Com as melhorias da tecnologia, surgiu a terceirização de operações, que vai desde centros de atendimento a departamentos de engenharia em países com salários mais baixos.

Mas a disseminação da TI nos chãos de fábrica na América do Norte foi um golpe duro para os trabalhadores, disse Cowen.

Os varejistas estão no meio da revolução tecnológica. A empresa de pesquisas Research VDC estima que, em todo o mundo, os varejistas vão gastar 12% a mais com a instalação de quiosques de auto-atendimento, que exigem menos pessoal, até o ano de 2015.

Em Massachusetts, a rede de supermercados Stop & Shop utiliza um programa que permite ao consumidor usar seu smartphone para registrar o código de barras dos produtos nas prateleiras, um movimento que poderia levar à demissão de parte da equipe de caixas.

O avanço da tecnologia em toda a economia representa um desafio para os criadores de políticas públicas para combater o desemprego e seu crescimento. Como a tecnologia reduz o número de trabalhadores necessários para produzir a mesma quantidade de bens e serviços, a economia deve crescer a um ritmo ainda mais rápido se novos empregos puderem ser criados.

Recuperações de desemprego

Na década de 1990, a taxa de investimentos em software e equipamentos nas empresas mais do que dobrou e a produção por hora aumentou. O crescimento do emprego geralmente vem acompanhado de taxas de produtividade mais elevadas por um tempo.

Então algo aconteceu. Após a recessão de 2001 o crescimento do emprego privado se manteve, enquanto o investimento em tecnologia continuava sua ascensão vertiginosa.

Desde a crise de 2001, o investimento em tecnologia se recuperou e está crescendo mais rapidamente do que os outros setores da economia em tempos de crise.

As oportunidades de emprego, no entanto, não estão se recuperando da mesma forma. No atual ritmo de criação de vagas, levaria anos para o emprego voltar ao níveis pré-recessão - e mais ainda para absorver novos empregados no mercado de trabalho.

A indústria do turismo é um importante exemplo de como a tecnologia online revolucionou um setor de negócios. Carl Sparks, executivo-chefe da Travelocity, uma empresa privada com sede em Dallas, observou como a empresa pode vender mais passagens aéreas e reservas em hotéis com menos funcionários do que com um agente de viagens tradicional.

tecnologia pode ajudar EUA e europa a superar criseEmpresas de varejo online também podem inovar rapidamente. Apenas alguns funcionários com conhecimentos de informática podem mudar um mercado com uma velocidade estonteante.

"Com acesso à Internet, cinco pessoas em uma sala podem fazer um projeto e colocar até 1% dos seus visitantes para testar e ver como o sistema funciona", disse Carl Sparks, CEO da Travelocity.

As mudanças se estenderam muito além do varejo online. Scanners de código de barras feitos pela Honeywell International Inc facilitaram a vida dos passageiros na hora do check-in em aeroportos, além de melhorar o rastreamento de mercadorias em armazéns.

O fabricante do leitor de código de barras espera que seus produtos sejam cada vez mais adotados nos hospitais, melhorando a produtividade dos enfermeiros na administração de remédios, disse o diretor da empresa, Taylor Smith.

O ritmo acelerado dos avanços tecnológicos tem levado alguns economistas a especular que a tecnologia da informação é um fator por trás da recente tendência de recuperações da economia sem geração de emprego.

"A tecnologia agora é diferente", disse Mark Thomas, um economista da Universidade de Oregon. "Estamos bem mais capazes de substituir as pessoas com equipamentos inteligentes. E não apenas os trabalhadores de fábrica. É com trabalhadores do administrativo, também."

Trabalhos futuros

Inovação não é nenhuma novidade. Nem são demissões e corte de funcionários durante as crises - parte do que os economistas chamam de "destruição criadora" que eventualmente canaliza novos investimentos para os empregos do futuro.

A estagnação do mercado de trabalho nos últimos dois anos se deve também, provavelmente, à ferocidade da recente recessão, a pior a atingir Estados Unidos e Europa, dizem especialistas de economia.

Mas o fosso crescente entre investimento em tecnologia e o crescimento do emprego ao longo da década passada sugere que a ligação tradicional entre investimento de capital e trabalho é preocupante.

O presidente do Google Inc, Eric Schmidt, chamou o mercado de trabalho uma "emergência nacional" e argumenta que o governo dos EUA deve urgentemente encontrar uma forma de estimular a demanda.

Maiores lucros devido aos avanços da tecnologia não são suficientes para estimular a contratação, disse ele. Como uma nação, ele disse, "Nós estamos presos."

Empresas de viagens online, no entanto, mostram como a tecnologia pode ajudar a criar demanda, fator essencial para a criação de novos empregos.

A indústria adotou smartphones e iPads para impulsionar a venda de viagens de última hora - talvez estimulando os consumidores a fazer uma viagem não planejada e melhorar o negócio para as companhias aéreas e hotéis. É uma tendência de tecnologia que poderia ajudar o mercado de viagens a crescer como um todo.

"Estamos contratando mais engenheiros para construir mais produtos móveis", disse Sparks, da Travelocity. "E ainda contratamos mais pessoas em marketing para lidar com isso."

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia