O balanço de 2004 das atividades da Indústrias Romi apontou crescimento de 37,8% em relação ao ano anterior, atingindo receita operacional bruta de R$ 542,1 milhões. Para a diretoria da empresa, esse resultado foi obtido graças a um conjunto de fatores, a começar do ambiente de tranqüilidade econômica e política, tanto nacional quanto internacionalmente.

"No âmbito nacional, a certeza da continuidade da política econômica, conduzida com energia, configurou-se como importante elemento estabilizador, refletindo na avaliação internacional do risco país, que se reduziu sensivelmente para patamares aceitáveis", diz o relatório da administração da empresa. Ainda segundo o documento, "a indústria de bens de capital depende, fundamentalmente, do crescimento da economia nacional e internacional, pois suas vendas dependem dos investimentos, que só ocorrem em condições de estabilidade política com crescimento econômico".

Segundo a diretoria da Romi, o resultado torna-se ainda mais expressivo, já que foi obtido sobre a base de 2003, ano em que a empresa já tinha apresentado um crescimento da receita de 40,5%. As vendas externas também registraram aumento de 30,5% em relação a 2003, num total de US$ 22,6 milhões. As exportações representaram 15% do total da receita operacional líquida. As vendas para os Estados Unidos corresponderam a 52% das exportações da empresa.

INVESTIMENTOS - Para atender ao aumento de demanda, a empresa investiu cerca de R$ 33 milhões no ano passado na ampliação da capacidade produtiva. Do total, R$ 16,7 milhões se destinaram às unidades de negócios de fundidos e usinados. Segundo a empresa, o programa de investimentos terá continuidade em 2005, quando deverão ser investidos cerca de R$ 20 milhões. Um dado bastante significativo foi a contratação de mão-de-obra direta, num total de 475 pessoas, terminando o ano de 2004 com 2.280 empregados. Um aumento superior a 20%.

Autor(es): Usinagem Brasil

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia