Investimentos em energia sustentávelEspecialistas em energia concordam que investir em tecnologias de energia sustentável é uma obrigação para os países desenvolvidos. Mas, em meio a um mercado de energia em expansão global, é um investimento realista?

Isso depende.

"Estamos em nosso momento crucial para a energia e inovação sustentável", afirma Lauren Azar, conselheira-sênior de Steven Chu, secretário de Energia dos EUA. "Se não investirmos em tecnologias verdes, vamos ficar para trás. Estaremos agarrados ao passado em vez de correr para o futuro. Acho que é uma forma inaceitável para os Estados Unidos avançar."

A opinião de Azar foi manifestada durante um painel de discussão sobre as realidades de investimentos em tecnologia renováveis ​​durante o 13º Fórum Platt de Energia, realizado em Nova York, no início de dezembro.

"O Departamento de Energia está gastando muito para reduzir o custo de tecnologias verdes para todos", disse Azar. Essa é uma estratégia destinada a conduzir análises de custo-benefício de investimentos nessas fontes de energia.

Ela diz que essa abordagem poderia estimular as economias em desenvolvimento, tais como China e Índia, que não têm o problema de envelhecimento da infraestrutura para construção de usinas de energia de primeira geração de energia para a implantação de tecnologias verdes, "sem a necessidade de subsídios ou impostos".

Não é bem assim, rebateu Peter Huber, pesquisador-sênior do Instituto Manhattan. "Eu acho que é absolutamente fantasioso e absurdo pensar que tanto a Índia e a China ou a maior parte no mundo em desenvolvimento que controla o acesso a quase todo o petróleo de fácil acesso, o carvão, as fontes substanciais de gás e [outras fontes], vão aderir à energia verde tão cedo, ele disse aos participantes. "Isso simplesmente não está acontecendo na China ou na Índia de hoje. A China tem o prazer de vender barato células solares para a Alemanha, assim como a Europa costumava ter o prazer de vender ópio à China [um século atrás]", brincou ele. "Mas que não significa que a China está investindo em energias sustentáveis".

Investimentos em energia sustentávelEle questionou se as tecnologias verdes são realistas ou sustentáveis, sem apoio governamental, subsídios ou "capitalismo de compadres", referindo-se ao fabricante de células solares Solyndra, que está na berlinda após receber empréstimos de US $ 500 milhões antes de pedir proteção contra falência em meados de 2011.

Huber questionou se uma economia verde pode ser inspirada por investidores privados e empresas de energia elétrica, ao invés de apenas o governo.

"Precisamos ser realistas sobre a busca da China e da Índia por fontes baratas de produção de energia e apoio a investimentos em tecnologias verdes", afirmou José Sergio Gabrielli de Azevedo, presidente e CEO da Petrobras, durante um discurso no forum. Ele falou sobre as tendências de energia a partir de 2012.

"[Agora] combustíveis fósseis são parte integrante de nossas vidas diárias, e todas as expectativas e projeções apontam para o fato de que eles ainda vão desempenhar um papel fundamental como fonte de energia primária nas próximas décadas", disse Gabrielli.

No entanto, os mercados precisam se adaptar às tendências. "A era do petróleo barato acabou", continuou ele. "Não se engane: a oferta de petróleo vai enfrentar uma série de obstáculos e isso vai ser especialmente verdadeiro para fontes não convencionais, tais como areias betuminosas, xisto betuminoso e do gás de xisto, que são considerados por muitos como menos favoráveis ao ambiente que o petróleo convencional".

Mas a maior demanda por derivados de petróleo vai ajudar a desenvolver energias alternativas, o que ele espera para ajudar as tecnologias benéficas para o meio ambiente. "As fontes renováveis ​​são cada vez mais vistas como um elemento vital para a criação de um futuro sustentável", disse Gabrielli.

O debate e as perspectivas acontecem em um momento em que o mercado de gás natural está em expansão em todo o mundo, especialmente nos EUA. De acordo com a Administração de Informação de Energia dos EUA, o gás de xisto-extração e produção deve crescer quase quatro vezes até 2035.

A questão centra é por quanto tempo essas tendências podem diminuir o investimento em tecnologias verdes. "Estamos investindo em pesquisa e desenvolvimento para transformar a nossa economia. É preciso muito tempo para desbastar as questões energéticas".

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Energia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Energia