Prós e contras dos biocombustíveisHá muitos benefícios quando se fala em substituir o petróleo por biocombustíveis como fonte de energia, como etanol e biodiesel. Por um lado, já que esses combustíveis são derivados de colheitas agrícolas, elas são inerentemente renováveis - e os nossos agricultores tipicamente os produzem internamente. Além disso, o etanol e o biodiesel emitem menos poluentes do que a gasolina de partículas à base de petróleo e combustíveis tradicionais para motores diesel. Eles também não contribuem para o aquecimento global, uma vez que só emitem de volta para o meio ambiente o dióxido de carbono (CO2) que as plantas que originaram os combustíveis absorveram da atmosfera, em primeiro lugar.

Ao contrário de outras formas de energia renovável (como o hidrogênio, energia solar ou energia eólica), os biocombustíveis são fáceis para as pessoas e empresas fazerem a transição sem aparelhos especiais ou uma mudança de veículo ou de infraestrutura para aquecimento. Os carros comercializados atualmente no Brasil funcionam com gasolina e etanol, os chamados “flex”.

No caso do diesel, a maioria dos motores adiesel comum pode lidar com biodiesel igualmente.

Apesar das vantagens, no entanto, os especialistas lembram que os biocombustíveis estão longe de ser uma cura para a nossa dependência do petróleo. A renovação da frota ainda não aconteceu: muitos carros que utilizam apenas gasolina ainda estão nas ruas e estradas, emitindo poluentes.

Prós e contras dos biocombustíveisDesafio da produção


Um grande obstáculo para a adoção generalizada de biocombustíveis é o desafio de crescer colheitas suficientes para atender a demanda, algo que os céticos dizem que pode muito bem requerer a conversão de praticamente todas as florestas remanescentes do mundo e espaços abertos sobre a terra agrícola.

Outra nuvem escura paira que sobre os biocombustíveis é se produzi-los, na verdade, requer mais energia do que eles podem gerar. Depois de calcular a energia necessária para o cultivo e então convertê-los em biocombustíveis, o pesquisador David Pimental, da Universidade de Cornell, nos EUA, concluiu que os números não batem. Seu estudo de 2005 descobriu que produzir etanol a partir do milho exige 29% a mais de energia do que o produto final em si é capaz de gerar. Ele encontrou números igualmente preocupantes para fazer biodiesel de soja.

Conservação


Não há uma solução rápida para a dependência dos combustíveis fósseis. No futuro, provavelmente o mundo verá uma combinação de fontes energéticas - desde vento até as correntes oceânicas e o hidrogênio, energia solar e, sim, algum uso de biocombustíveis - alimentando nossas necessidades. A grande questão, que é muitas vezes ignorada quando se considera as opções de energia, no entanto, é a dura realidade de que devemos reduzir o nosso consumo, e não apenas substituí-lo por outra coisa. Na verdade, a conservação é provavelmente o maior "combustível alternativo" disponível atualmente.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Energia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Energia