Emprego com carteira assinada cresce 5,41% em 2011O número total de empregos com carteira assinada teve um aumento de 5,41% em 2011.

Ao longo do ano, foram criados 1.944.560 postos de trabalho, de acordo com dados divulgados hoje pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O saldo positivo foi o segundo maior da série histórica iniciada em 2003. No período (2003-2011), foram criados 17,3 milhões postos de trabalho formais.

O setor de Serviços foi o maior responsável pela geração de vagas, com 925 mil postos (6,43%). Em seguida, estão o Comércio, com 452 mil (5,61%); a Construção Civil, com 222 mil (8,78%), a Indústria de Transformação, 215 mil (2,69%); a Agricultura, 82 mil (5,54%) e a Mineração, 19 mil postos (10,33%).

A região em destaque foi o Sudeste, com 1 milhão de novas vagas. Em segundo lugar, está o Nordeste, com cerca de 329 mil oportunidades. Isso ocorre por fatores sazonais, como a entressafra agrícola, término do ciclo escolar e o esgotamento da bolha de consumo de final do ano.

Emprego com carteira assinada cresce 5,41% em 2011Apesar disso, dezembro foi um mês fraco, com redução de 408 mil postos de trabalho, resultado similar ao do ano de 2010.

Paulo Roberto Pinto, ministro do Trabalho e Emprego, prevê que a tendência de crescimento vai continuar neste ano, mesmo em vista da crise da economia mundial, com um novo aumento em torno de dois milhões de empregos registrados em CLT ao final do ano. Para ele, o mercado de trabalho oficial é estimulado por um conjunto de políticas públicas, como o Programa de Geração de Emprego e Renda (Proger) que favorece formalização por meio de linhas de crédito mais fácil para as empresas.

Salário inicial

Os salários iniciais médios em 2011 registraram aumento real (descontada a inflação) de 3,12% em relação a 2010: de R$ 888,89 para R$ 916,63.

Os estados com os maiores salários médios de admissão foram São Paulo (R$ 1.129,41) e Rio de Janeiro (R$ 1.030,69) e os menores foram a Paraíba (R$ 689,04) e Piauí (R$ 699,62). Com a exceção de Sergipe (queda de 1,43%), Roraima (- 0,73%) e Rondônia (0,72%), todos os outros obtiveram ganhos reais, com destaque para Paraná (6,33%), Pernambuco (5,36%), e Pará (5,19%).

Em relação ao grau de escolaridade, o maior crescimento do salário médio de admissão foi registrado entre os trabalhadores com 5ª ano Completo do Fundamental, com aumento de 4,12% e o salário passando de R$ 736,57 em 2010 para R$ 766,88. Já o menor crescimento foi entre os trabalhadores com Ensino Médio Incompleto, com variação de 1,85%.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia