Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Desenvolvimento sustentado

Mais notícias relacionadas a meio ambiente:

Lubrificantes Fênix minimiza impacto com oxidação térmica
A preocupação com o meio ambiente está no DNA da empresa desde sua fundação.


Empresas de biotecnologia representam Brasil na Bio 2013
Maior convenção do setor acontece em abril nos EUA


Para que servem as cortinas de lodo
Também conhecidas como barreiras de lodo, são usadas para evitar que sedimentos de construção poluam ...


Atrair empresas representantes de setores de baixo impacto ambiental, que se apóiem, complementarmente, na estrutura produtiva da Baixada Santista e se enquadrem no padrão de dinamismo que a comunidade empresarial local vem perseguindo, desde meados da década de 90, é um dos principais objetivos da estratégia de desenvolvimento dos agentes econômicos do município de Cubatão, um dos principais pólos industriais da América Latina.

Instalado a partir de 1955, o Pólo Industrial de Cubatão é composto, principalmente, pelo segmento petroquímico, que se formou ao redor da Refinaria Presidente Bernardes, da Petrobrás, e siderúrgico, representado pela Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa). Os dados disponíveis indicam que em 2001 o setor petroquímico produziu 7,3 milhões de toneladas; o químico 1,7 milhão de toneladas; a área de fertilizantes, 4,4 milhões de toneladas; e a indústria siderúrgica, 2,4 milhões de toneladas de aço.

Cubatão é um dos seis maiores municípios brasileiros em arrecadação de tributos federais, sendo a Cosipa a principal geradora de receita fiscal. O município integra a Região Metropolitana da Baixada Santista.

Uma das principais metas de Cubatão, segundo o engenheiro químico Ademar Salgosa Júnior, diretor titular da regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), é recuperar, gradativamente, o prestígio e a força econômica que o município tinha há cerca de 20 anos, quando respondia por algo em torno de 1,5% do PIB brasileiro, percentual que caiu pela metade ao longo dos últimos anos.

Boa parte desse esforço, explica Salgosa, que também é diretor da Cabocloro, fabricante de insumos para produtos químicos, com faturamento de R$ 450 milhões em 2001, começou a ser implementado entre 1983/84, quando foi dada a partida num ambicioso programa de recuperação e preservação ambiental da cidade, totalizando investimentos da ordem de US$ 920 milhões. E os resultados, hoje, são visíveis, tanto pela observação dos indicadores ambientais como da saúde dos rios e da vegetação locais e pelo fato de que a última declaração de alerta e emergência sobre a qualidade do ar ocorreu em 1994.

Outro fato relevante é que a Baixada Santista atraiu investimentos equivalentes a US$ 600 milhões, entre junho de 2001 e junho de 2002, segundo sondagem da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade). 0 segmento de serviços ficou com 49,34% e a indústria com 50,5% com destaques para os segmentos de produtos químicos e metalurgia, puxados por Cubatão, além de outros, como construção civil, eletricidade, gás e água.

"Hoje, Cubatão é uma outra realidade, e um dos grandes desafios que temos no Ciesp é difundir e nova imagem da cidade em conjunto com as entidades locais", afirma o engenheiro Marco Paulo Penna Cabral, diretor do Ciesp e chefe geral da usina da Cosipa. Além de investimentos, referidos por Salgosa, o diretor Marco Paulo Cabral informa que, graças ao "Projeto Inverno" desenvolvido pelas empresa em parceria com a Prefeitura, e que consiste num conjunto de cuidados especiais para melhorar a capacidade de dispersão dos poluentes, "a situação hoje está totalmente sob controle, com um nível qualidade do ar superior ao de diversas cidades de São Paulo".

Na integração com a comunidade na busca de soluções e novas idéias para melhorar o perfil socioeconômico de Cubatão, Salgosa destaca a importância das reuniões periódicas realizadas pelo Painel Consultivo Comunitário, um fórum composto por 25 representantes locais, em que passa a discussão de boa parte das questões ligadas à necessidade de formação de mão-de-obra e de políticas públicas ou iniciativas oriundas do setor privado, para dinamizar a economia da região.

Atualmente, a estrutura de produção de Cubatão é formada por quatro grandes setores: petroquímico (46%), fertilizantes (28%), siderurgia (15%) e químico (11%). No conjunto, o Pólo oferece 21 mil empregos diretos, gerando uma massa salarial equivalente a US$ 237 milhões e US$ 122 milhões de encargos sociais, incluindo recolhimento de ISS, FGTS, Cofins e outros. A receita tributária gerada no Pólo Industrial de Cubatão totaliza US$ 257 milhões, distribuídos entre União, Estado e Município, enquanto o volume de benefícios sociais soma um gasto de US$ 35 milhões, representando US$ 1.653 per capita em 2001.

A geopolítica da região faz parte do chamado interior de São Paulo, onde se destacam 40 municípios com mais de 100 mil habitantes, que respondem por cerca de 17% do PIB e 24% da produção industrial brasileira. As transformações em curso na logística do sistema de transporte estadual, com as privatizações das operações portuárias, das ferrovias e das rodovias, a modernização dos aeroportos e a conclusão da Hidrovia Tietê-Paraná (2.400 km comercialmente navegáveis, ligando a região de Piracicaba aos estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraná e o Paraguai) projetam significativa racionalização no escoamento de mercadorias, com repercussões relevantes na competitividade do comércio exterior do País e na economia de todo o Estado e, particularmente, da Baixada Santista.

Toda essa infra-estrutura logística, acrescida do complexo portuário de Santos (o Porto de Santos e o Porto de Piaçagüera, da Cosipa), o maior do Brasil, tendo, inclusive, projeção internacional, representa um fator de atração de novos investimentos, além de ser o escoadouro da produção agrícola e industrial de vários estados, segundo Salgosa.

Por sua importância econômica, portanto, a Baixada Santista tem chances de aumentar o volume de negócio gerado aqui, sediando congressos, feiras, seminários, exposições e simpósios, uma das grandes fontes geradoras de emprego.

De acordo com pesquisa realizada pelo SEBRAE-NA, em 2001, em parceria com o Fórum Brasileiro de Conventions e Visitors Bureau, foram gerados 3 milhões de empregos, diretos e indiretos pelo segmento de eventos, arrecadando um total de R$ 37 bilhões. Ainda segundo a pesquisa, cerca de 52% dos eventos realizados no Brasil ocorrem na Região Sudeste. Além disso, a região abriga 39% dos mais de 79 milhões de participantes em eventos.

Revista Manutenção & Suprimentos

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a meio ambiente:

ABNT lança norma sobre manufatura reversa de eletroeletrônicos

Nesta sexta-feira (19 de abril), a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) apresenta em São Paulo a norma ABNT NBR 16156:2013 - Resíduos de equipamentos eletroeletr ...
Desenvolvimento econômico sustentável

O termo desenvolvimento econômico sustentável refere-se ao saldo de crescimento econômico junto com as necessidades sociais e ambientais. Para que o crescimento econômico seja considerado sustent ...
Como funciona um sistema de esgotos

Um sistema de esgoto de águas residuais move o material isolado a partir de seu ponto de origem, de modo que possa ser eliminado ou tratado. Existem três principais ...
Prós e contras de sacolas reutilizáveis

Com tantos problemas ambientais que assolam o planeta, o ideal seria que todas as pessoas contribuíssem para evitar a poluição originada pelo acúmulo de lixo, especialmente por ...
Poluição causada por produtos plásticos

O plástico tornou-se um produto essencial para as pessoas ao redor do mundo. Desde a sua descoberta por Alexander Parkes em 1852, tem sido um dos produtos mais usados ...
O que é biorremediação

A biorremediação é um método, dentro do campo da biotecnologia, criado para impedir as crescentes ameaças provenientes de formas graves de poluição ambiental. Como o nome sugere ...
Ministro da Economia alemão ainda se opõe a licenças de emissão de carbono

Ministério da Economia da Alemanha continua em oposição a um plano da União Europeia para conter um excesso de oferta de licenças no maior mercado mundial ...

Meio Ambiente
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Meio Ambiente


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google