Google
Matérias, artigos e empresas relacionados a Manutenção e Suprimentos para a indústria
Esqueci minha senha

Steinbruch assume controle do grupo Vicunha em junho

Mais notícias relacionadas a economia:

Definição de otimização restrita
Na microeconomia de uma empresa, conceito de otimização é usado para maximizar a produção e ...


O que é capital de risco verde
Junto com a ênfase na natureza ecológica da operação comercial, empresas que buscam capital de ...


Definição de valor contábil
Dois dos principais fatores que entram no cálculo do valor escrito, ou contábil, são depreciação ...


Em 15 de junho, será sacramentado o fim da sociedade entre as famílias Rabinovich e Steinbruch no comando do grupo Vicunha, que controla a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e a Vicunha Têxtil. Segundo o empresário Benjamin Steinbruch, nesta data o contrato deverá ser assinado e a titularidade das ações transferida dos Rabinovich para a sua família, que passará a ser a única controladora do grupo. Segundo fontes do mercado, os Rabinovich receberão cerca de R$ 1,3 bilhão no negócio.

O empresário explicou que o pagamento pelas ações será feito em cinco anos. As parcelas, segundo uma fonte familiarizada com a operação, serão anuais. Jacks Rabinovich, seus filhos e sobrinhos concordaram em financiar os sócios na operação. "Uma entrada já foi paga", disse Steinbruch, que preferiu não revelar valores. A mesma fonte assegurou que a entrada foi apenas simbólica. A primeira parcela propriamente, estimada em R$ 300 milhões pelo mercado, será paga na assinatura do contrato.

A operação envolve a compra de 50% do controle da holding Vicunha Steel - que, por meio da Vicunha Siderurgia, é dona de 40,7% da CSN -, e a aquisição de metade da ações votantes da Vicunha Participações, que por sua vez controla 61,4% da Textília. Essa holding tem 82,3% da Vicunha Têxtil. O acordo assinado pelas duas famílias no fim de fevereiro previa como data para término da operação 30 de junho. Mas está tudo bastante adiantado e a principal pendência deverá ser resolvida em 14 de junho, permitindo o encerramento do negócio no dia seguinte.

No dia 14, disse Steinbruch, a Vicunha Siderurgia, controladora da CSN, quitará toda a sua dívida com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), liberando as ações da siderúrgica pertencentes às duas famílias, que estão penhoradas em garantia e, por enquanto, não podem ser transacionadas.

A dívida remanescente da Vicunha Siderurgia, na forma de debêntures, é de R$ 1,7 bilhão, segundo cálculos do Valor a partir de dados do site da corretora Planner, agente fiduciário dos títulos. A dívida era maior, mas, em abril, o BNDES exerceu a opção de converter a sexta série das debêntures em ações da CSN. O banco trocou cerca de R$ 400 milhões em dívida por 5,79% do capital da siderúrgica. Com isso, as duas famílias tiveram sua participação consolidada reduzida a 40,7%.

Para quitar os R$ 1,7 bilhão restantes, Steinbruch confirmou que serão usados os dividendos a ser distribuídos pela CSN, aprovados em assembléia há uma semana. No total, a empresa pagará R$ 2,3 bilhões a seus acionistas. Os controladores receberão cerca de R$ 1,1 bilhão. A diferença necessária para pagar o BNDES deverá vir de uma emissão de novas debêntures que, segundo fontes do mercado, deverá ser de cerca de US$ 300 milhões (R$ 750 milhões). Não está descartada a hipótese de o BNDES vir a adquirir parte da emissão.

Para uma fonte que acompanhou as negociações, o acordo saiu rápido e até barato para os Steinbruch. "Além do interesse dos Rabinovich em dar liquidez aos seus investimentos, foi utilizado o valor histórico dos papéis da CSN. Não seria justo utilizar o valor em bolsa, já que a siderurgia teve um ótimo desempenho no último ano."

Valor Econômico

facebook      twitter      google+

* campos obrigatórios

Outras notícias relacionadas a economia:

Governo incentiva indústria farmacêutica

Foi lançado na última quinta-feira (11/4) um pacote de medidas com o objetivo de impulsionar a indústria brasileira no setor de saúde. A iniciativa do Governo ...
O que é liquidação na economia

Liquidação é o processo de tomada de ativos reais de um negócio para transformá-los em dinheiro, seja para pagar dívidas ou para obter um lucro pessoal. A ...
Definição de Integração Econômica

A integração econômica é um processo em que as barreiras ao comércio são reduzidas ou eliminadas para facilitar o comércio entre as regiões ou na ...
O que é colapso econômico

Um colapso econômico é uma situação em que a economia local, regional ou nacional passa por uma crise dramática, que afeta negativamente a capacidade das pessoas que vivem ...
O que é Mercantilismo

Mercantilismo é uma das maiores teorias econômicas que diz que a riqueza de uma nação pode ser medida pelo seu pronto fornecimento de capital. O mercantilismo afirma que a ...
O que é democracia econômica

Democracia econômica é uma filosofia de socioeconomia. Socioeconomia é o estudo e a exploração da economia quando vista no contexto de valores sociais humanos, comportamentos e interações. Dentro deste ...
JPMorgan nomeia novo presidente global de mercado de capitais

JPMorgan Chase & Co. (JPM), o maior banco dos EUA em ativos, continuou insuflando a gestão em seu banco corporativo e de investimentos, nomeando Kevin Willsey como o novo presidente ...

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia


Veja na Agenda de Feiras e Congressos
Veja na Agenda de Feiras e Congressos

Google