A nova unidade, que terá investimentos de US$ 400 milhões, deve ser instalada em Portugal. A CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) confirmou ontem que planeja aplicar, "ainda neste segundo semestre", entre US$ 300 a US$ 400 milhões na instalação de uma fábrica na Europa - provavelmente em Portugal - e outros R$ 2,5 bilhões em uma unidade de alto-forno no Brasil - Rio de Janeiro e Minas Gerais disputam a preferência.

A informação foi dada pelo presidente da empresa, Benjamin Steibruch, que participou do Fórum Portugal na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Segundo Steibruch, a fábrica em Portugal - a Espanha corre por fora para receber o investimento - deve ser instalada no complexo industrial da Lusosider, empresa portuguesa adquirida, em parte (50% do controle acionário) pela siderúrgica brasileira há mais de dois anos.

"A idéia é que Portugal seja uma porta de entrada da nossa produção para a Europa", afirmou Steibuch, que espera para fechar em definitivo o projeto "um tratamento diferenciado do governo português, do tamanho do montante que será destinado ao país europeu.

"Queremos definir o local da fábrica o mais rápido possível, mas ainda dependemos da conclusões a respeito de incentivos fiscais e financiamento por parte de Portugal", afirmou.

O presidente da Fundação Luso-Brasileira, entidade responsável pelo evento na Fiesp, João Oliveira Rendeiro, confirmou à Gazeta Mercantil a intenção da CSN em investir em Portugal, mas preferiu não detalhar o assunto.

Na verdade, de acordo com o presidente da CSN, o projeto de erguer uma fábrica na Europa está sendo estudado desde o ano passado.

Primeiramente a idéia era produzir na nova unidade placas laminadas. No entanto, a empresa resolveu mudar o foco de atuação, apostando na produção de bobinas.

"Queremos agregar valor aos nossos produto no mercado europeu, utilizando as blacas laminadas fabricadas no Brasil."

Já o investimento planejado para o Brasil - de US$ 2,5 bilhões -, Steibruch disse que o projeto "está próximo de ser definido, provavelmente no começo do segundo semestre. "A nova fábrica terá capacidade para produzir anualmente de três a quatro milhões de toneladas de aço.

Autor(es): Gazeta Mercantil

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas