Crise faz montadoras americanas repensarem cadeia de suprimentosPela primeira vez em mais de 20 anos, as montadoras americanas estão questionando um pilar de fabricação: a prática de trazer peças para linhas de montagem logo antes de serem utilizadas, conhecida como lean manufacturing.

As chamadas entregas just-in-time ajudaram as montadoras economizar bilhões e gerenciar as suas fábricas de forma mais eficiente. Mas a abordagem também depende de uma cadeia de abastecimento quase perfeita. E, por duas vezes no ano passado, elos fracos foram expostos.

O terremoto e o tsunami de março de 2011 nocautearam muitos fabricantes japoneses de peças, resultando no fechamento de fábricas e falta de itens em todo o mundo. E, no mês passado, uma explosão em uma fábrica química alemã cortou o fornecimento de uma resina essencial em linhas de combustível dos carros. Sem essas peças, linhas de montagem podem diminuir ou até parar dentro de algumas semanas, causando escassez de veículos ainda este ano.

As montadoras estão lutando para encontrar alternativas para a resina PA12. A ameaça de uma nova escassez vem conforme as vendas de automóveis dos EUA acabam de se tornar saudáveis novamente após a recessão.

Indústria automobilística sofre com entrega de peças just in time

                                      Indústria automobilística sofre com entrega de peças just in time

Problemas de fornecimento na indústria automobilística são inevitáveis às vezes, mas os fabricantes de automóveis estão começando a repensar o sistema just-in-time, que é mais global do que nunca e se baseia em partes cada vez mais especializadas de um menor número de fornecedores.

O sistema, desenvolvido pela Toyota na década de 1970 e trazido para os EUA na década de 1980, desencoraja grandes estoques de peças em favor de entregas pouco antes de eles serem necessários. Ele salva as empresas o custo de armazenamento das peças ou carregá-los em seus livros. Por essas razões, as montadoras e fornecedores de grandes geralmente armazenar um valor de apenas algumas semanas de peças.

"É um sistema muito frágil", diz Steven Wybo, diretor administrativo e especialista automotivo da Conway Mackenzie, uma empresa de consultoria que lida com reestruturações da indústria. "A única maneira de proteger o fornecimento é construir inventário. Até que isso aconteça, vamos continuar a ver problemas como estes”.

-----------------------------------------------------
Indicador de empresas:
Soluções de publicidade do portal Manutenção & Suprimentos
----------------------------------------------------------------------------


Montadoras dos EUA dizem que estão estudando as demandas por fornecimento para descobrir o que precisam estocar.

Muitas das 3.000 peças de um carro tornaram-se tão especializadas que são feitas somente por algumas plantas em todo o mundo. Isso deixa a indústria vulnerável a incêndios, desastres naturais ou outros problemas que podem abater uma fábrica.

A resposta pode ser estocar peças que vêm de um único fornecedor, diz David Cole, presidente emérito do Centro para Pesquisa Automotiva. "Você nunca pode tirar risco completamente", diz ele. "Apenas minimiza-lo”.

Uma fábrica que colocou em risco as montadoras foi a planta química alemã danificada por uma explosão do mês passado. A planta era responsável por, pelo menos, um quarto do PA-12 produzido em todo o mundo, um componente de nylon em linhas de combustível. Também forneceu 70% do CDT do mundo, produto químico usado por outras empresas que fazem PA-12.

Cadeia de abastecimento das automotivas está vulnerável a condições ambientais e econômicas

Cadeia de abastecimento das automotivas está vulnerável a condições ambientais e econômicas

Nenhuma montadora informou se tem fábricas funcionando com falta de tubos, mas analistas da indústria dizem que a parada pode vir dentro de algumas semanas se as alternativas não forem encontradas e testadas rapidamente.

Os resultados poderiam ser ainda mais graves do que o terremoto japonês do ano passado. Levou quase um ano para o fornecimento de carros para voltar ao normal.

A indústria costumava ter bases mais sólidas. Vinte anos atrás, as empresas dependiam menos dos fornecedores e produziam mais de suas próprias peças. Mas a General Motors Co. e a Ford Motor Co. desmembraram seus negócios de peças no fim dos anos 90, um movimento que economizou dinheiro, mas deu-lhes menos controle sobre inventário.

"Just in time é realmente arriscado, mas é melhor para o custo-eficiência", diz Wybo.

A indústria também encolheu porque os fabricantes de automóveis necessitam cada vez mais de peças especializadas para atender normas de segurança do governo e os padrões de economia de combustível. Fornecedores sem os produtos faliram.

E o perigo é muito maior. Há relativamente poucos fornecedores de metais especiais, por exemplo, como o boro, o que é adicionado ao aço para torná-lo mais forte e mais leve.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Empresas
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Empresas