Eletrônica do futuro pode ser baseada em bactériasPesquisadores no Reino Unido e Japão se voltaram para a natureza (leia-se as bactérias magnéticas) para ajudar a produzir eletrônicos em escala nano. Eles dizem que as bactérias poderiam nos ajudar a fazer melhores unidades de disco rígido e conexões de internet mais rápidas.

Cientistas das universidades de Leeds e de Tóquio usaram um tipo de bactéria que "come" de ferro para criar pequenos ímãs dentro de si, semelhantes aos encontrados em discos rígidos tradicionais. A pesquisa pode levar a discos rígidos muito mais rápidos de alta densidade e a uma série de outros dispositivos eletrônicos ecológicos de alto desempenho.

"Nós sempre tentamos fazer componentes eletrônicos menores, mas estamos rapidamente chegando aos nossos limites com as técnicas de fabricação tradicionais. E a natureza pode nos ajudar agora", disse Sara Staniland, do departamento de Física e Astronomia da Universidade de Leeds.

Magnetospirilllum magneticum

Para sua pesquisa, a equipe Staniland tem usado a bactéria Magnetospirilllum magneticum. Estes microrganismos naturalmente magnéticos, encontrados em lagoas e lagos, nadam ao longo das linhas magnéticas da Terra, se alinhando como agulhas de bússola.

No futuro, dispositivos eletroeletrônicos usarão bactérias para melhorar funcionamento

                    No futuro, dispositivos eletroeletrônicos usarão bactérias para melhorar funcionamento

Quando comem ferro, as proteínas interagem para produzir minúsculos cristais de magnetita, o mais magnéticos de todos os minerais que ocorrem naturalmente na Terra.
Os pesquisadores, depois de estudar como as proteínas dentro da bactéria coletam a forma e a posição destes nanoimãs, copiam o método e aplicam-no fora das bactérias, em um movimento que tem sido comparada ao "cultivo" de ímãs.

Os analistas da indústria receberam bem a pesquisa. "Lidar com o crescimento de dados tem sido um desafio para as organizações de TI de todos os portes nos últimos anos", disse Simon Robinson, especialista em armazenamento na 451 Research, em Londres. "Enquanto a indústria de disco rígido tem sido capaz de responder a este desafio, aumentando muito a densidade da unidade durante a última década, em particular, há uma preocupação a longo prazo que em algum momento nós vamos bater no limite, apesar de alguns dos principais fabricantes acreditarem que unidades de 50 terabyte são realizáveis ​​", disse Robinson. "Como em outras partes do mundo da tecnologia, a resposta a longo prazo pode vir da biologia, apesar de claramente estar ainda numa fase muito experimental".

-----------------------------------------------------
Indicador de empresas:
Soluções de publicidade do portal Manutenção & Suprimentos
----------------------------------------------------------------------------


Em uma colaboração de longa data com a Universidade de Leeds, Masayoshi Tanaka, da Universidade de Tóquio de Agricultura e Tecnologia usaram uma proteína diferente para criar minúsculos fios elétricos - "nanofios" - que são capazes de transferir informações. Estes fios biológicos podem ser cultivados para ter uma resistência elétrica e "conectados a outros componentes como parte de um computador totalmente biológico", explicou Tanaka em um comunicado.

Os pesquisadores pretendem desenvolver um "kit" de proteínas e produtos químicos que poderiam ser usados ​​"para cultivar os componentes do computador a partir do zero.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Tecnologia & Inovação
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Tecnologia & Inovação