Indústria naval sofre falta de mão de obra especializadaA indústria naval brasileira enfrenta dificuldades para encontrar mão de obra especializada. Faltam, sobretudo, soldadores capacitados para atender à demanda dos estaleiros e de oficiais da Marinha Mercante. Esse foi um dos tópicos abordados em uma das maiores feiras de offshore do país, a Navalshore 2012, que acontece esta semana no Rio de Janeiro.

O setor, que está em franca expansão, movimenta mais de R$ 3 bilhões por ano e emprega pelo menos 62 mil pessoas, de acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval). Essa expansão é motivada, principalmente, pela exploração de petróleo e gás em alto-mar, que exige cada vez mais navios, plataformas e equipamentos.

A Associação Brasileira de Soldagem (ABS) aponta a falta de soldadores "em quantidade e qualidade" para atender a indústria naval. Segundo o diretor executivo da entidade, Daniel Almeida, atualmente, os jovens não estão se sentem atraídos pela profissão, cujo salário está em torno de R$ 3,5 mil e que exige cerca de um ano de treinamento.

---------------------------------------------------
Indicador de empresas:
Soluções de publicidade do portal Manutenção & Suprimentos
----------------------------------------------------------------------------


"A soldagem mostra um ambiente agressivo, mas sabemos que o jovem quer trabalhar em uma sala com televisão e ar condicionado", explicou Almeida. Para reverter o quadro, que não é exclusivo do Brasil, são realizadas campanhas nos Estados Unidos e na Europa, mostrando o potencial de carreira na área. Aqui no Brasil, a ABS pretende ampliar de seis para dez os centros de formação até o fim deste ano.

A Associação Brasileira das Empresas de Apoio Marítimo (Abeam) compartilha da preocupação. Existe um déficit de mil oficiais de Marinha Mercante, que seriam responsáveis por conduzir navios brasileiros e estrangeiros no país. A entidade estima que o número de profissionais deve aumentar 92% entre 2010 e 2020, mas avalia que mesmo assim, o número é insuficiente, visto o crescimento do setor.

"Esse déficit nos obriga a fazer ginástica para operar embarcações", disse o presidente, Ronaldo Lima. A entidade pede a suspensão temporária da regra do Ministério do Trabalho que obriga a contratação de tripulantes brasileiros no setor marítimo.

(com informações da Agência Brasil)

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Comentários

26/10/12 às 20:02h
Mario Oliveira
gostava de saber onde me posso inscrever como soldador para a industria naval no Brasil...

Carreira Industrial
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Carreira Industrial