Indústria chinesa tem maior queda em 9 mesesO índice de compra oficial da China, o chamado Purchasing Managers' Index (PMI) caiu para 49,2, o menor desde novembro de 2011. Os dados foram divulgados neste fim de semana. O PMI é um indicador-chave da atividade industrial e uma leitura abaixo de 50 revela contração do setor.

Segundo analistas, o país está sendo atingido por uma desaceleração na demanda global e doméstica.

Enquanto isso, os números do PMI da zona do euro, anunciados hoje, mostram um quadro semelhante, com uma média de leitura abaixo de 50 para os 17 países que adotam a moeda e apenas a Irlanda entre estes registrando crescimento de 50,9.

----------------------------------------------------
Indicador de empresas:
Soluções de publicidade do portal Manutenção & Suprimentos
----------------------------------------------------------------------------

"O setor de manufatura da China continua patinando, com o peso de uma significativa desaceleração interna, um cenário externo totalmente desfavorável e uma resposta política completamente insuficiente", afirmou Alistair Thornton, da IHS Global Insight, após a liberação dos números.

A economia da China teve um crescimento robusto nos últimos anos, impulsionada, em parte, por empréstimos de registro por bancos chineses. No entanto, o boom de crédito resultou em um aumento nos preços dos imóveis, levando a temores sobre bolhas de ativos e preocupações sobre se o crescimento alimentado pelo crédito é sustentável no longo prazo. Isso fez com que as autoridades introduzissem várias medidas para conter a concessão de empréstimos.

A economia da China cresceu a uma taxa anual de 7,6% neste segundo trimestre, o ritmo mais lento de crescimento em três anos.

Em 2012, crescimento chinês deve ser bem mais tímido do que em anos anteriores

Em 2012, crescimento chinês deve ser bem mais tímido do que em anos anteriores

Alerta para uma possível desaceleração acentuada da economia, a China tem tomado algumas medidas para facilitar as suas políticas em uma tentativa de estimular o crescimento. Seu banco central, o Banco Popular da China, reduziu a quantidade de dinheiro que os bancos devem manter em suas reservas três vezes nos últimos meses, em uma tentativa de impulsionar o crédito no país, além de diminuir as taxas de juros duas vezes desde junho deste ano, para reduzir o custo dos empréstimos para empresas e consumidores.

No entanto, estas medidas parecem ter tido pouco impacto sobre o crescimento. Especialistas dizem que isso ocorreu porque os bancos chineses não estavam muito interessados ​​em emprestar dinheiro, devido aos temores sobre a desaceleração do crescimento. Há, ainda, temores de que o recorde em empréstimos ao longo dos últimos anos possa resultar em um aumento dos empréstimos ruins e prejudicar os lucros bancários.

Autor(es):

facebook      twitter      google+

Economia
 Veja todas as noticias e artigos relacionados a Economia